Despedimento de enfermeiras no CHULC afronta direitos fundamentais

Para o Movimento Democrático de Mulheres (MDM), a não renovação dos contratos de substituição de duas enfermeiras – uma grávida, outra com doença degenerativa – no Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) é «inqualificável». Ambas as trabalhadoras tinham Contrato de Substituição por Tempo Indeterminado.

«São múltiplos e frequentes, mesmo na Administração Pública, as discriminações das mulheres com atropelos aos direitos na protecção à maternidade e ao emprego estável consagrados na Constituição da República», adverte o MDM, salientando que o despedimento «ilegítimo» das duas enfermeiras «afronta direitos fundamentais das trabalhadoras, num quadro em que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e em particular o CHULC precisa urgentemente de mais enfermeiros permanentes para garantir a saúde da população».

Neste sentido, o movimento entende que as duas enfermeiras, a quem não foi renovado o contrato, devem ingressar com um contrato efectivo ao CHULC, reconhecida que é a carência destes técnicos de saúde.

«A precariedade, a instabilidade no trabalho, as dificuldades criadas ao exercício dos direitos de protecção à maternidade constituem formas de violência contra as mulheres, inaceitáveis num País que queremos mais justo, sem desigualdades e discriminações», afirma o MDM.

Situação discriminatória
Na sexta-feira, o Sindicato dos Enfermeiros de Portugal (SEP) promoveu um protesto à porta do Hospital de S. José, em Lisboa, para denunciar esta situação. «Os enfermeiros que são contratados com vínculo precário, ou a termo certo ou incerto, com o tempo vão passando a contrato sem termo. Consideramos esta situação discriminatória. Estas situações de baixa são devido a situação clínica», salientou Isabel Barbosa, da Direcção Regional de Lisboa do SEP. A acção contou com a presença de Paula Santos, deputada do PCP na Assembleia da República.

Segundo o sindicato, o CHULC – que integra os hospitais de S. José, Santo António dos Capuchos, Santa Marta e de D. Estefânia, assim como o Hospital Curry Cabral e a Maternidade Dr. Alfredo da Costa –tem em falta pelo menos 400 enfermeiros, uma necessidade que se arrasta há vários anos, sendo agravada pela pandemia.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: