• José Casanova

Na segunda volta
Desde que deixou de ser primeiro-ministro, Cavaco Silva começou a aperceber-se que eram muitos e graves os problemas que afligiam os portugueses. O paraíso que era Portugal durante a década Cavaco transformara-se num autêntico inferno mal o genial governante – apercebendo-se de que ia ser derrotado nas eleições – fugiu a sete pés para Boliqueime, donde regressou, pouco depois, para ser derrotado nas presidenciais. Remeteu-se, então, a um recolhido silêncio. Silêncio breve: pouco a pouco, começou a pronunciar-se sobre as grandes questões do País, ensinando, explicando, receitando. O ridículo Conde de Abranhos que tão bem encarnara enquanto primeiro-ministro deu lugar a um Conselheiro Acácio, mais risível do que o original porque mais pomposo e menos culto.
Eis senão quando, o grande capital lusitano viu nele a pessoa indicada para a presidência da República – quiçá seguindo um raciocínio deste género: quem tão bem serviu os nossos interesses no Governo, melhor os servirá na presidência da República, e melhor ainda quando, como os supremos interesses da Nação exigem, corrigirmos as muitas distorções abrilistas da Constituição, e construirmos o regime presidencialista de que Portugal precisa. E eis Cavaco candidato. E logo projectado pela generalidade da comunicação social dominante – que, como se sabe, é propriedade do acima referido grande capital – apresentado como o génio providencial; o salvador da Pátria; o quase certo presidente que, segundo as sondagens, na segunda volta, pulverizará qualquer dos outros candidatos; enfim, o presidente certo que, sem dúvida, as sondagens aí estão a confirmá-lo, será eleito à primeira volta (consta que está para breve a divulgação de uma sondagem a informar os portugueses e portuguesas que mais de 70% deles e delas consideram que Cavaco é o mais culto de todos os candidatos). Através de um processo de repetição exaustiva, os média levaram esta sucessão de cenários a todos os cantos e recantos do País – adaptando a fala do outro (o que dizia que uma mentira muitas vezes repetida se transforma em verdade) à modernidade mediática actual que consiste em fabricar a opinião pública através da opinião publicada muitas vezes repetida.
Acontece que, como temos visto, nem sempre as coisas se passam como eles querem. E é bem possível que em 12 de Fevereiro, na segunda volta, Cavaco seja mais uma vez derrotado. Pelo nosso lado tudo faremos para que assim seja.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: