Pelo apoio aos trabalhadores da Cultura

O PCP defende a adopção urgente de medidas de protecção para os trabalhadores das Artes e da Cultura, afiançando que não baixará a guarda enquanto as não vir concretizadas.

«É preciso tomar medidas urgentes que protejam todos os que trabalham nas artes e na cultura, sobretudo os que são afectados pela tremenda precariedade que marca o sector», afirmou a deputada comunista Ana Mesquita, sexta-feira passada, 27, numa declaração transmitida nas redes sociais a propósito do momento «contraditório e difícil» que se vive.

Por aquela ser a data em que se assinalava o Dia Mundial do Teatro, o PCP, através da sua deputada, não quis deixar de enviar uma calorosa saudação a «todos os que se dedicam de corpo e alma a esta arte», mas também a «todos aqueles que têm estado na frente da luta em defesa das artes e da cultura no nosso País».

«É tempo também de começar a pensar nas respostas de fundo, no reforço do financiamento para as artes e para a cultura, no 1% do Orçamento do Estado, naquilo que é a estruturação de um plano nacional de emergência para as artes e para a cultura», acrescentou a deputada do PCP, defendendo, simultaneamente, que é preciso avançar com a «descentralização teatral no nosso País».

Esses são objectivos pelos quais o PCP se tem batido, na AR e fora dela – e disso são testemunho as variadíssimas propostas que tem apresentado -, e que não vai deixar cair. Essa foi a garantia deixada por Ana Mesquita.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: