Valorizar a produção
e os produtores

O PCP promoveu em Torre de Moncorvo, no dia 3, um debate sobre as questões da agricultura e do mundo rural, em que participaram o membro do Comité Central Agostinho Lopes e Lucinda Pinto, técnica agrícola da Confederação Nacional da Agricultura (CNA).

Na sessão estiveram presentes agricultores e representantes de várias organizações de produtores dos concelhos de Torre de Moncorvo, Alfândega da Fé e Mogadouro, que revelaram preocupações quanto à política de desvalorização da agricultura levada a cabo por sucessivos governos. Em concreto, preocupa-os sobretudo os atrasos verificados nos pagamentos e na aplicação do novo quadro comunitário e as restrições de acesso a ajudas aos pequenos e médios agricultores, que são, na região, a esmagadora maioria neste sector de actividade.

Numa região em que as produções de vinho, azeite e amêndoa são predominantes nos concelhos do Sul do distrito, a política dos sucessivos governos e as imposições e regras da UE têm colocado ainda mais dificuldades aos agricultores: não sendo a produção de azeite de cultura intensiva e em grandes parcelas, muitos produtores ficam de fora das ajudas e apoios; a produção de amêndoa ficou de fora do quadro de apoios, a que acresce a ausência de apoios nacionais; e a situação da Casa do Douro deixa os vitivinicultores durienses desprotegidos e em franca desigualdade perante as grandes casas exportadoras.

No encerramento da reunião, Agostinho Lopes reafirmou o papel do PCP na defesa dos interesses dos pequenos e médios agricultores e sublinhou a necessidade de construção de uma política agrícola que valorize a produção e os produtores, tendo em conta as características da agricultura nacional, predominantemente familiar e de subsistência.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: