• Correia da Fonseca

Um retrato fiel
O tema era a crise. A reportagem mostrava que milhares de famílias foram, nos Estados Unidos, despejadas das suas casas, ou melhor, das casas que habitavam e decerto se tinham habituado a considerar suas. É que as habitações estavam apenas a ser compradas com empréstimos a longo prazo durante anos abundantemente concedidos pela banca, e motivos diversos, talvez na sua maioria relacionados com a premeditada instabilidade do mercado de trabalho norte-americano, acabaram por impor a impossibilidade do pagamento das amortizações contratuais. Saltou então a banca credora a executar as respectivas hipotecas e os compradores perderam de súbito, ou quase, as casas que um dia haviam sonhado serem suas para toda a vida. Mas, como a reportagem também mostrou, perderam mais: perderam também todo o recheio que nas casas haviam acumulado ao longo do tempo e agora era penhorado pela banca para eventual amortização dos valores das prestações já vencidas e não pagas. Por isso vimos e ouvimos uma das donas de casa despejadas a lamentar-se, desolada, porque ela e a sua família apenas tinham ficado com a roupa que traziam vestida no momento do despejo. Na verdade, a televisão já nos tinha trazido situações assim, mas eram então resultantes de situações de guerra ou equiparadas, de cataclismos naturais. Desta vez, a questão era outra: aquela gente sem tecto, sem os bens que ao longo dos anos adquirira, sem saber o que fazer, era o resultado supostamente legítimo de um certo tipo de sociedade e das regras que ela estabelecera, era «natural» no sentido de ser o fruto consequente de um específico tipo de árvore: a sociedade capitalista com o poder financeiro a decidir a vida das gentes. Mas a estória que a reportagem nos contava não terminava ali. Executadas as hipotecas, via-se a banca proprietária de uma enorme massa de casas que não proporcionavam nenhum rendimento, que porventura até obrigariam a vultosos custos de manutenção, e que por isso era urgente converter em liquidez financeira, isto é, vender. Passava-se então a uma segunda parte do drama: as casas de onde tinham sido expulsos os seus compradores endividados eram postas em leilão a preços «convidativos», de saldo, e aos leilões acorriam, vindos de lugares diversos, criaturas que por uma ou outra razão mantinham poder de compra «com dinheiro na mão». Faziam, então, bons negócios que eram a contrapartida positiva da desgraça alheia, o suposto «lado bom» do sistema que produzira a destruição de milhares de vidas que se haviam julgado ancoradas na estabilidade possível. Era, enfim, o Mercado num seu retrato fiel.

Como está escrito

Infelizmente, é o retrato de uma sociedade em estado de efectiva barbárie. É certo que munida de uma panóplia de instrumentos tecnológicos complexos e que, porque o são, parecem testemunhar um grau civilizacional avançado. Mas, na verdade, civilização há-de ser outra coisa. Andam agora os muitos sábios da Economia «de Mercado» e da Politologia pós-moderna muito arreliados porque, em face do que concretamente aconteceu, muitas vozes se levantaram a lembrar Marx. Mas até esta reportagem acerca da espécie de maremoto que percorreu os Estados Unidos sob a forma de despejos veio lembrar que a exploração de homens por outros homens está bem no centro da actividade económica/financeira em situação capitalista. Vejamos. No princípio está a venda de uma casa mediante empréstimo a longo prazo, e quem faça conta aos juros que se acumulam ao longo de todo o tempo da operação logo depara com uma primeira forma de exploração, pois bem se sabe que é sempre o detentor do capital que determina a suposta justeza da retribuição do valor investido. Depois, surgida a crise, emerge não apenas a apropriação da casa pela banca credora mas também a de todo o seu recheio, e não é difícil imaginar como vai este ser avaliado. É uma segunda vaga da exploração. Logo sobrevém uma terceira: oportunistas com dinheiro na mão acorrem a comprar as casas por valores «de ocasião», isto é, seguramente abaixo do preço considerado no inicial contrato de compra e venda celebrado entre a banca e o comprador agora despejado e despojado. Tudo medonho. Mas não se diga que é a lei da selva: é bem pior, é lei do capitalismo. De qualquer coisa que tem de acabar, até por ser humanamente insuportável. Que tem de acabar, como Marx escreveu.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: