Breves
AVEIRO
Está na hora de resolver carências

«O surto epidémico Covid-19 que o país e o mundo combatem veio revelar uma série de fragilidades do Serviço Nacional de Saúde (SNS), resultantes de décadas de políticas de direita e de desinvestimento na Saúde, denunciadas e combatidas desde sempre pelo PCP», recorda a Comissão Concelhia de Aveiro do PCP, que considera que o Hospital Infante Dom Pedro é, neste aspeto, um exemplo, uma vez que acumula várias valências encerradas e grandes carências de profissionais de saúde.

Particularmente grave no actual contexto é «o encerramento temporário das urgências pediátricas no Hospital Infante Dom Pedro, causado pela infeccção de médicos deste serviço», alertam ainda os comunistas aveirenses, facto, notam, que obriga à deslocação das crianças da região para o Porto ou para Coimbra.

Acerca da degradação da resposta local do SNS pronunciou-se, igualmente, a Comissão Concelhia de Ovar, que neste momento lembra que o PCP se tem batido há anos «em defesa do Hospital Dr. Francisco Zagalo, exigindo a permanência das suas valências, a dignificação dos seus profissionais e a requalificação do bloco operatório».

O Partido sublinha, também, que na actual conjuntura revela-se acertada a reivindicação do Partido de reabertura imediata do pólo de Maceda da USF Laços, bem como da requalificação da USF Alpha, na Válega.


SAMOUCO
Extensão de Saúde não pode encerrar

Encerrada nos últimos dias «sem qualquer justificação prévia à população», a «Extensão do Centro de Saúde de Alcochete no Samouco é o único local onde os utentes se podem dirigir para a prestação de cuidados médicos, seja nos períodos normais seja neste momento que vivemos», realça a Comissão Concelhia de Alcochete, que solidarizando-se com utentes e profissionais, exige que o Governo proceda à contratação de pessoal para permitir a reabertura daquela unidade.


COIMBRA
Apoiar o comércio tradicional

O comércio tradicional tem de merecer apoios neste momento difícil, salienta a Comissão Concelhia de Coimbra do PCP, que, em visita ao Mercado Municipal D. Pedro V, constatou o encerramento de várias bancas e um decréscimo de clientes.

Não obstante, sublinham os comunistas, o comércio tradicional e os mercados em particular são opções seguras para o abastecimento de bens alimentares e outros bens essenciais na cidade de Coimbra. Nesse sentido, o Partido garantiu que em próximas reuniões de Câmara irá propor o reforço das medidas de higienização dos clientes à entrada do Mercado Municipal, bem como a redução ou mesmo isenção de taxas para que os comerciantes mantenham a actividade.