Editorial

«a CDU tem soluções para o País»

MAIS FORÇA À CDU, POR NOVOS AVANÇOS E PELA ALTERNATIVA

A três meses das eleições para o Parlamento Europeu, a agenda mediática do grande capital continua dominada por temas que, pela desinformação, manipulação e mentira, visam a criação de condições favoráveis à mistificação e ao anticomunismo procurando assim, por essa via, atingir o PCP e a CDU.

Ao mesmo tempo, os principais órgãos da comunicação social vão marcando posição perante os diversos primeiros candidatos às eleições para o Parlamento Europeu, promovendo uns, como é o caso do PS, PSD, CDS e BE e silenciando outros, como é o caso da CDU, em detrimento de critérios de objectividade, isenção e equilíbrio no tratamento das candidaturas em presença.

O PCP e a CDU desenvolvem um vasto conjunto de iniciativas políticas e de contacto com as populações em que se inseriu o jantar em Albergaria-a-Velha «Exercer os direitos. Participar em igualdade», o debate em Montemor-o-Novo sobre «Políticas para o Território – desenvolvimento equilibrado uma visão estratégica», a 10.ª Assembleia da Organização Regional de Setúbal, com a participação do Secretário-geral do PCP e as diversas acções de preparação das eleições para o Parlamento Europeu, com a participação de João Ferreira, primeiro candidato da lista da CDU.

Este é um combate a que o PCP atribui uma grande importância, que impõe, desde já, a necessidade do debate e do esclarecimento do que está em jogo nestas eleições e também do que significa o voto na CDU para defender os interesses nacionais e para fortalecer a luta diária nas empresas, locais de trabalho e nas ruas, por novos avanços no plano dos direitos e pela afirmação de uma política alternativa patriótica e de esquerda que, colocando no seu centro a valorização do trabalho e dos trabalhadores, dê resposta aos problemas do País.

Importa igualmente estimular o desenvolvimento da luta, em quese insere a Manifestação Nacional de Mulheres convocada pelo MDM para dia 9 de Março, a Manifestação Nacional da Juventude Trabalhadora para 28 de Março, as comemorações do 45.º Aniversário do 25 de Abril e a grande Jornada do 1.º de Maio convocada pela CGTP-IN.

É nesta luta que se inseriu a interpelação parlamentar de ontem e a intervenção do PCP em defesa do Serviço Nacional de Saúde, alvo de forte ofensiva, particularmente agravada durante o Governo PSD/CDS que, a pretexto do défice, justificou a transferência de cuidados para o sector privado, acompanhando-a do respectivo financiamento e meios humanos, o que fragilizou o SNS e trouxe maiores dificuldades no acesso aos cuidados de saúde e o crescimento do papel e influência do capital neste sector.

É igualmente nesta luta que se inscreve a denúncia e o combate à tentativa do Governo do PS, com o apoio do PSD, para impor a transferência de encargos para as autarquias, que sofreu uma significativa derrota: Mais de 100 municípios rejeitaram o presente envenenado. O facto de só 70 em 278 municípios terem assumido todas as competências que o governo pretendeu transferir é em si mesmo a resposta a um processo que visa a desresponsabilização do Estado e o sub financiamento do poder local, em prejuízo das populações e das autarquias.

É também no quadro dos muitos combates que é preciso travar para colocar Portugal numa rota de desenvolvimento soberano que a CDU desenvolve uma campanha eleitoral de massas que vai contar com o empenhamento de milhares de activistas e apoiantes, que com a sua iniciativa, a sua acção, a sua palavra, afrontando a manipulação, mistificação e mentira, afirmarão as soluções da CDU para o País.

É ainda no quadro desta diversificada e intensa actividade que se insere a acção de reforço do Partido, a que é necessário continuar a dedicar grande atenção, em particular à acção dos 5 mil contactos com trabalhadores e, a partir de agora, à promoção, divulgação e venda da EP (Entrada Permanente) para a 43.ª edição da Festa do Avante! a realizar nos dias 6, 7 e 8 de Setembro.

No momento em que o PCP está prestes a comemorar o seu 98.º aniversário importa sublinhar, como fez Jerónimo de Sousa na intervenção de encerramento da 10.ª Assembleia da Organização Regional de Setúbal, domingo passado, no Barreiro, que «somos um Partido independente, com a sua natureza de classe, o partido da classe operária e de todos os trabalhadores e com que o povo sempre pode contar. Um Partido que se orgulha do seu passado, da sua história. Um Partido que se orgulha da sua identidade comunista. Um partido portador de um projecto de futuro. O partido portador de soluções que toma a iniciativa e avança na luta que continua por uma política patriótica e de esquerda, por uma democracia avançada, inspirada nos valores de Abril, pelo socialismo e o comunismo».



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: