Breves
Biodiversidade debatida no Egipto

O presidente egípcio, Abdel Fatah El-Sisi, inaugurou no sábado, 17, a 14.ª Conferência Mundial das Nações Unidas sobre Biodiversidade (COP 14), que se desenrola na cidade de Sharm El-Sheikh, no Mar Vermelho. El-Sisi assinalou que o Egipto atribui importância à biodiversidade e que adoptou políticas que garantam a preservação do meio ambiente e a boa utilização dos recursos naturais. A reunião decorre quando a biodiversidade enfrenta enormes desafios – uma degradação acelerada, com riscos associados para os diferentes eco-sistemas, realçou o presidente egípcio. Espera-se que a conferência, bienal, discuta agora medidas importantes para acelerar as acções do Plano estratégico para a Diversidade Biológica (2011-2020).


Eleições na RDC a 23 de Dezembro

Félix Tshisekedi, presidente da União para a Democracia e o Progresso (UDPS), e Vital Kamerhe, líder da União para a Nação Congolesa (UNC) reuniram-se em Bruxelas visando uma candidatura comum dos dois partidos à eleição presidencial de 23 de Dezembro, na República Democrática do Congo (RDC), cuja campanha arranca hoje, 22. Dias antes, em Genebra, quatro líderes oposicionistas – Moïse Katumbi, Jean-Pierre Bemba, Freddy Matungulu e Adolphe Muzito – escolheram Martin Madidi como candidato único. Em Kinshasa, a Frente Comum para o Congo (FCC), do presidente cessante, Joseph Kabila, confirmou o seu candidato Emmanuel Shadary.


Segunda volta em Madagáscar

Em Antananarivo, a Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) anunciou que os candidatos Andry Rajoelina (com 39,19% dos votos), e Marc Ravalomanana (35,29%) vão disputar a segunda volta da eleição presidencial, em 19 de Dezembro. Ambos já desempenharam o cargo de presidente da República malgaxe. O actual chefe do Estado de Madagáscar, Hery Rajaonarimampianina, ficou em terceiro lugar (8,84%). Apenas seis dos 36 candidatos ultrapassaram o 1% dos votos. A taxa de participação foi de 54,32%.


Manter na Bolívia a unidade nacional

Um dirigente boliviano exortou operários, camponeses e povo em geral a manter a unidade nacional e defender as conquistas alcançadas durante a gestão do presidente Evo Morales. Num Encontro Nacional de Escolas de Formação Política e Sindical, em La Paz, o ministro da Presidência, Alfredo Rada, afirmou que a unidade dos bolivianos é a única via para derrotar a direita nas urnas. «O próximo ano será duro, mas se estivermos unidos, se o movimento operário, o movimento indígena camponês e o movimento urbano popular continuarem unidos (…) vamos suportar todos os embates e derrotar a direita no terreno eleitoral e em qualquer outro», disse Rada, citado pelo jornal Cambio.


Uruguaios marcham na «Fora G20-FMI»

A Confederação de Organizações de Funcionários do Estado (COFE) do Uruguai participará em Buenos Aires da marcha «Fora G20-FMI», soube-se em Montevideo. Os trabalhadores rejeitam que o seu território seja uma «base militar» dos países que assistem à cimeira do G20 na capital argentina, a 30 deste mês e 1 de Dezembro. Nos dias dessa reunião de alto nível, a Argentina estabeleceu uma zona de exclusão aérea que cobre também o departamento de Colonia, no Uruguai, violando, segundo o COFE, a soberania nacional uruguaia. Antes da cimeira, chegarão à Argentina 400 civis e militares e oito aviões estado-unidenses para «tarefas de segurança».


«ARA San Juan» achado no Atlântico

O submarino argentino «ARA San Juan», desaparecido há um ano, com 44 tripulantes a bordo, foi encontrado no Atlântico Sul a 900 metros de profundidade, anunciou em Buenos Aires o Ministério da Defesa. A descoberta foi feita pelo navio norueguês «Seabed Constructor», da empresa estado-unidense Ocean Infinity, contratada pelo governo argentino para as buscas. As famílias dos marinheiros do submarino sinistrado exigem às autoridades explicações sobre as causas do desastre, aparentemente motivado por uma explosão.