Nem verdade nem rigor

No decurso do debate várias foram as questões a que o Governo não respondeu, apesar da insistência do PCP. Uma delas prende-se com matéria macro-económica. Saber como é que o Governo sustenta os 0,9% estimados para a inflação, foi a pergunta por mais de uma vez formulada pelo deputado comunista Honório Novo. Ora sendo certo que o Executivo não vai congelar as rendas de habitação, os preços da energia eléctrica, do gás, do gasóleo, dos transportes públicos, etc., tal estimativa só poderá ter como fim, admitiu o deputado comunista, permitir ao ministro da solidariedade anunciar um aumento de um por cento nas pensões e dizer que este aumento está em linha com a inflação.

Quanto à pouco credível taxa de desemprego igualmente estimada pelo Governo – 16,4 por cento –, Honório Novo lembrou que há um ano o ministro das Finanças também anunciou para 2012 uma taxa de desemprego de 13,4% e, chegados ao fim de 2012, a verdade é que andará perto de 16%. A previsão do Governo carece, pois, de «verdade e rigor», acusou a bancada do PCP.

A previsão de um por cento de recessão para 2013 é outra das fantasias do Governo, na perspectiva de Honório Novo, que perguntou a Passos Coelho em que «oráculo» é que vislumbrou tal número para tentar enganar o País.

Por saber ficou também como é que o Governo – com menos rendimentos, com menos actividade económica, com menos consumo em 2013 –, prevê (mesmo com o assalto fiscal) uma subida global de receitas fiscais superior a dez por cento. Um mero «acto de fé», chamou-lhe Honório Novo.

O deputado do PCP insistiu, por fim, tal como já havia feito Jerónimo de Sousa no início do debate, em saber o que é que o Governo «anda a combinar lá fora com o FMI», que medidas adicionais tem preparadas para o caso do OE derrapar, como derrapou este ano.

Depois de muita insistência, o primeiro-ministro lá abriu o jogo e confessou a existência de um plano B de 830 milhões de euros para fazer face a derrapagens orçamentais em 2013, baseado apenas na despesa.

O que não desvendou, apesar de muito interpelado por Honório Novo, foi quais as áreas que serão atingidas por mais este corte destruidor.

 

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: