É urgente apoiar e apostar na produção nacional
Defender a produção agropecuária é garantir que o País pode ter futuro

VISITA «Um País que não produz não pode sobreviver», advertiu Jerónimo de Sousa, sexta-feira, em visita a uma exploração leiteira em Outeiro Maior, Vila do Conde.

O alerta não é novo, designadamente por parte do PCP, que há anos salienta como fundamental assegurar em boa parte a soberania alimentar nacional, particularmente de bens estratégicos como a carne, o leite, os cereais, o pescado, as frutas e hortícolas. Contudo ganhou acrescida relevância no actual contexto de maiores obstáculos no comércio internacional, e foi isso mesmo que o Secretário-geral do PCP salientou na visita a uma exploração leiteira em Outeiro Maior, Vila do Conde.

Produtores de leite em Portugal foram já 70 mil. Hoje resistem cerca de sete mil e, como antes, continuam a trabalhar sem parar, em condições muito duras, referiu.

Como noutros sectores da agropecuária, a sua sobrevivência está permanentemente em causa, em especial tratando-se de pequenas e médias explorações, resultante dos efeitos combinados de políticas europeias de defesa do agronegócio com a subordinação dos sucessivos governos a estas.

Nesse sentido, Jerónimo de Sousa insistiu na necessidade de apoiar a e apostar na produção nacional, lembrando ser o actual contexto uma boa oportunidade para mobilizar os pequenos e médios agricultores, satisfazer as necessidades da população, garantir a ocupação do território e combater a dependência para a qual Portugal foi empurrado.

No imediato, o Partido vai bater-se, na Assembleia da República e fora dela, por apoios à produção, sem os quais, sobretudo nesta fase, o caminho inexorável é o do definhamento progressivo.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: