Monumento aos resistentes vandalizado por fascistas na Sérvia

Em Belgrado, desconhecidos profanaram o monumento recentemente inaugurado dedicado aos soldados da II Guerra Mundial. As autoridades da Sérvia e da Rússia condenaram severamente o acto, atribuído a fascistas. A Chama Eterna em memória dos soldados da II Guerra Mundial, instalada num parque comemorativo dos Libertadores de Belgrado, foi profanada por desconhecidos, na noite de 30 de Dezembro passado. O memorial foi danificado por uma mistura de tinta e cimento.

O presidente da República da Sérvia, Aleksandar Vucica, reagiu de imediato a incidente que, segundo ele, significa a presença de «elementos fascistas» no país. «Desconhecidos danificaram deliberadamente o monumento. Envergonho-me que uma coisa tão terrível aconteça em Belgrado, mas estou certo que estes fascistas serão em breve descobertos», afirmou Vucic, citado pela agência Ria Novosti. Acrescentou que os sérvios devem mostrar o seu respeito pelos soldados do Exército Vermelho, porque é necessário preservar a verdade histórica sobre os acontecimentos da II Guerra Mundial.

O ministério russo dos Negócios Estrangeiros manifestou a sua indignação pelo ataque, condenando firmemente o acto criminoso. «Partilhamos a indignação do povo sérvio face ao vandalismo que teve lugar na noite de 30 de Dezembro. (...) Para tentar lançar uma sombra nas relações fraternas entre os povos da Rússia e da Sérvia, alguns celerados não hesitaram em insultar a memória dos soldados soviéticos e jugoslavos tombados nos combates contra os invasores nazis», reagiu a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova. «Agradecemos às autoridades sérvias pela sua reacção imediata face ao incidente. Não temos dúvidas de que os culpados serão encontrados e levados perante a justiça», acrescentou a diplomata.

Segundo Moscovo, a Chama Eterna de Belgrado é um dos símbolos que recorda o preço inestimável que os povos soviético e sérvio pagaram juntos pela paz, pela liberdade da Europa. «Aparentemente, há alguém que não gosta disso», comentou Maria Zakharova.

No dia 15 de Dezembro, o presidente sérvio Aleksandar Vucica participou na inauguração da Chama Eterna no memorial dos Libertadores de Belgrado, juntamente com o ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Serguei Lavrov. A chama foi transportada para Belgrado por uma delegação russa dirigida por Vladimir Medinsky, presidente da Sociedade Histórica Militar da Rússia.

Em baixo desta Chama Eterna, numa inscrição em sérvio, pode ler-se: «Ninguém é esquecido, nada é esquecido».




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: