Lauak tem de readmitir mães

Têm de ser readmitidas todas as oito trabalhadoras que estavam no gozo dos direitos de parentalidade e foram incluídas no despedimento colectivo que a Lauak promoveu no Verão, revelou o SITE Sul no dia 14.
O recuo patronal, explica o sindicato, decorreu da decisão da CITE (Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego), da luta travada pelas trabalhadoras e da participação dos representantes sindicais nas reuniões com a filial da multinacional francesa da indústria de aeronáutica. Desde o início, o SITE Sul afirmou que a decisão patronal se devia apenas ao facto de a administração da Lauak conviver mal com o gozo dos direitos de parentalidade, tentando mesmo ocultar que no despedimento colectivo havia trabalhadoras em gozo dos direitos de parentalidade.

Grávida despedida

O Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central avançou para a cessação de contrato de uma enfermeira que se encontra grávida, protestou no dia 12 o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, que pediu uma reunião urgente à administração e explicações ao Ministério da Saúde.
O CHLC «apresenta carência estrutural de enfermeiros, agravada pela pandemia», mas «este é o reconhecimento que dá aos “heróis” enfermeiros», notou o SEP/CGTP-IN.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: