É deverconstitucional do Estado apoiar a cultura e o desporto
É imperativo apoiar o associativismo

ESTÍMULONum contexto tão difícil como o actual, é imperativo apoiar o movimento associativo popular, que constitui um pilar fundamental da democracia e do bem-estar colectivo.

No auditório do Edifício do Poder Local, no Feijó, João Ferreira participou, ao final da tarde de dia 14, quarta-feira, numa sessão pública que teve como tema «Movimento associativo e popular: liberdade, emancipação, transformação».

Neste encontro com dirigentes do movimento associativo popular do concelho de Almada, o candidatoa Presidente da República destacou que, pelos princípios da democracia, da participação, da cooperação e da solidariedade em que o movimento assenta, bem como pela imensa actividade cultural, desportiva e recreativa, que leva a cabo, sempre próximo da população, ele é um exemplo inspirador.

Num contexto tão difícil como aquele que hoje se vive, é imperativo apoiar o movimento associativo, pois ele é um pilar fundamental da nossa democracia e do bem-estar colectivo, sublinhou João Ferreira, ladeado por António Matos (vereador da Câmara Municipal de Almada) e Luís Palma (presidente da Junta da União das Freguesias do Laranjeiro e Feijó).

Vários participantes expressaram o seu apoio a João Ferreira. Nas intervenções também perpassaram muitas das dificuldades com que o movimento associativo se depara.

Para a candidatura de João Ferreira, o Presidente da República deve ter um papel relevante no apoio ao associativismo. Mesmo sem deter as atribuições que são próprias do Governo, espera-se do PR uma intervenção no que toca a fazer cumprir a Constituição, que define como obrigação do Estado apoiar a cultura e o desporto.

O movimento associativo e popular desempenha um papel determinante na efectivação de direitos consagrados na Lei fundamental, daí decorrendo que, quanto maior importância for dada pelo Estado à cultura e ao desporto, menores serão as dificuldades a ultrapassar pelas associações.

«Silêncios e tanta gente»
Nessa noite, João Ferreira assistiu à peça de teatro «Silêncios e tanta gente», na associação Boutique da Cultura, em Carnide (Lisboa). Na página da candidatura na rede social Facebook, o candidato comentou que, «escrita por Sandra Benfica e encenada por João Borges Oliveira», esta peça «que nos interpela sobre a realidade crua e violenta do tráfico de seres humanos» é um espectáculo «a não perder».

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: