Os moradores sempre cumpriram com os seus deveres e obrigações
PCP exige intervenção de fundo no Bairro de Campos Velhos

CASCAIS Os moradores do Bairro de Campos Velhos, esquecido pela maioria PSD na Câmara de Cascais, sentem-se «discriminados e votados ao abandono», alerta o PCP.

Para quando uma «intervenção de fundo» no Bairro de Campos Velhos, em Alcabideche, questionou, no passado dia 20, José Carlos Silva, eleito do PCP na última Assembleia Municipal de Cascais. A pergunta surgiu após uma visita ao bairro, a 19 de Julho, onde o Partido contactou com mais de 50 moradores, que deram conta dos graves problemas que os afectam e expuseram justas reivindicações por uma melhoria das condições de vida e por um tratamento digno por parte da Câmara Municipal de Cascais.

Entre outros exemplos – de dificuldades que se agravam – está a mobilidade, estando aquela população «completamente isolada do resto do concelho, na medida em que a paragem de autocarro mais próxima está situada a cerca de um quilómetro do bairro. Imaginemos pessoas com mobilidade reduzida, doentes crónicos, estudantes e trabalhadores que, após um dia de trabalho árduo, têm que, para além de tudo, percorrer a pé este trajecto», relatou José Carlos Silva, acrescentando: «Até o percurso que muitos pais têm de fazer para levar os seus filhos à creche mais próxima é feito de terra batida e silvas» e «a única alternativa que estes moradores encontram é o recurso ao táxi, com os elevados custos que isso representa».

Simultaneamente, «as estradas alcatroadas e os passeios são uma raridade por estas bandas, sendo comum o pó que, levantado pelos carros e pelo vento, entra nas casas destes moradores. E quem tem viatura própria, além de ver o seu carro constantemente sujo, habilita-se a ganhar uma despesa extra, provocada pelos buracos na estrada», continuou o eleito do PCP.

Infelizmente, o presidente da autarquia, Carlos Carreiras, do PSD, não deu resposta a nenhuma das questões levantadas pelo PCP, dando a entender que o bairro tem boas condições para os seus moradores, e limitando-se a afirmar que os problemas de iluminação se devem a casos de vandalismo, numa clara ofensa a todos os moradores do Bairro de Campos Velhos.

No bairro «falta tudo»

No Bairro de Campos Velhos «falta tudo», desde a mercearia ao café, passando pelo jardim-de-infância ou por uma sala de acompanhamento de estudos para as crianças e jovens em idade escolar, apontou José Carlos Silva, salientando que «às crianças é devido um ambiente saudável e acolhedor para que o seu crescimento e desenvolvimento físico e intelectual seja de forma a que a sua integração na sociedade se faça de forma harmoniosa».

As críticas estendem-se ao mobiliário urbano inexistente, à falta de iluminação pública, às ervas infestantes que proliferam e à limpeza urbana. Segundo o eleito do PCP, também «os idosos deste bairro carecem de acompanhamento por parte dos responsáveis concelhios, e de freguesia, nomeadamente por falta de assistentes sociais para os encaminhar na resolução das suas necessidades prementes, nomeadamente de saúde, resolução de questões burocráticas, entre outras».

Outra das necessidades apontadas é a da construção de hortas comunitárias no espaço do bairro, tendo em conta os baixos rendimentos e a possibilidade de, por via do trabalho na terra, poderem usufruir de vegetais para a sua alimentação.

«É de dignidade da pessoa humana que aqui estamos a falar. Estamos num momento em que não basta entregar uma casa a uma família e deixá-la entregue ao seu destino, é necessário um acompanhamento contínuo das pessoas e dos espaços envolventes, criando nos pessoas um sentimento de auto-estima e de pertença colectiva, de forma a que os moradores considerem os espaços públicos como seus», afiançou José Carlos Silva.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: