Enfermeiros na linha da frente da luta

Anteontem, 12, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) promoveu em Braga, junto ao Arco da Porta Nova, uma manifestação «virtual» de sapatos, e em Faro, na Avenida Calouste Gulbenkian, a exposição «Enfermeiros na linha da frente, valorização na linha de trás», com 50 fotografias de enfermeiros e enfermeiras, seus testemunhos e reivindicações.

Nas iniciativas – para assinalar o Dia Internacional do Enfermeiro, data do aniversário do nascimento de Florence Nightingale, considerada a fundadora da enfermagem moderna – exigiu-se que todos os enfermeiros contratados em regime de substituição passem por um contrato por tempo indeterminado, mas também que a todos os enfermeiros contratados ou a contratar no âmbito da pandemia da COVID-19 seja feito um contrato por tempo indeterminado, uma vez que os contratos por quatro meses não garantem estabilidade às organizações e impedem as administrações de tomar as decisões, de médio e longo prazo, necessárias para devolver a confiança aos utentes e doentes com outro tipo de patologias.

Do Governo reclama-se, simultaneamente, que todos os jovens enfermeiros que terminem, durante o ano em curso, a sua licenciatura sejam imediatamente contratados, nomeadamente nas regiões de implementação das faculdades de enfermagem.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: