- Edição Nº2419  -  8-4-2020

Não pode valer tudo nas IPSS

Tendo tomado conhecimento de que «a Santa Casa da Misericórdia decidiu cobrar metade das mensalidades dos seus infantários, durante os meses de Abril e Maio, apesar de estes se encontrarem encerrados», a Comissão Concelhia da Covilhã do PCP «considera que devem ser tomadas medidas de apoio às IPSS e que não devem ser, mais uma vez, os trabalhadores a pagarem a factura», sabendo-se, além do mais, que muitas famílias «têm os seus rendimentos reduzidos».
Os comunistas condenam, igualmente, que a instituição aproveite a situação para degradar as relações de trabalho, «nomeadamente através da tentativa de transferência dos trabalhadores do infantário para o lar, entretanto contrariada pela luta dos trabalhadores e a intervenção do sindicato, da imposição do uso das férias e da tentativa de introdução de turno de 12 horas no lar».