Proteger as pessoas idosas com informação útil

«Consciente dos problemas de saúde mental das pessoas idosas e das consequências resultantes do período de confinamento domiciliário ou institucional a que vão estar sujeitas» devido à COVID-19, a Direcção da Confederação Nacional de Reformados, Pensionistas e Idosos – MURPI entende que os órgãos de comunicação social têm um papel importante «como agentes activos da promoção de informação aos mais idosos, elevando o seu esclarecimento relativamente aos comportamentos», contribuindo, deste modo, para a prevenção da propagação da pandemia.

Ao mesmo tempo, podem e devem colaborar, através de uma programação adequada, para minorar as consequências do isolamento profiláctico na sua saúde mental. O MURPI alerta para a necessidade de uma programação específica nos programas da rádio e da televisão de canal aberto em períodos do dia que fomentem uma ocupação saudável do tempo e reclama a diversificação e criação de jogos recreativos culturais, leituras de livros e promoção de histórias locais interactivos.

Por seu lado, as associações de reformados, pensionistas e idosos empenhar-se-ão na promoção de acções utilizando as redes sociais e os contactos pelo telefone aos associados.

Medidas urgentes para os lares

No início da semana, a Confederação reivindicou a definição de um plano estratégico de defesa das pessoas idosos residentes em lares, envolvendo entidades de Saúde, da Protecção Civil e da Segurança Social; criação de meios que combatam as consequências psicológicas do isolamento social resultante da proibição de visitas dos seus familiares; protecção social, financeira e psicológica dos trabalhadores dos lares.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: