Administração Pública na linha da frente

Ao exigir, no dia 19, o reforço dos serviços públicos e dos seus trabalhadores, a Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública realçou que «na linha da frente responderam, desde o primeiro momento, trabalhadores que há mais de dez anos vêem os seus direitos mais básicos violentados e atacados», «sem aumentos, sem valorizações nas carreiras, sem garantia das condições de trabalho». Contudo,«não demoraram um segundo a dar a resposta pronta».

Na nota que divulgou à comunicação social, a Frente Comum salientou que «têm sido múltiplas as violações dos seus direitos», seja por falta de condições de protecção, de saúde e de segurança, por falta de medidas de protecção social para quem tem a seu cargo ascendentes, ou por várias situações detectadas pelos sindicatos.

Na sexta-feira, dia 20, a Frente Comum lembrou que nesse dia «os trabalhadores estariam em luta por aumentos salariais dignos, por uma efectiva negociação e pela valorização das carreiras, entre outras matérias».«Nenhum destes problemas foi resolvido e esta crise ainda os acentuará, caso não se tome as necessárias medidas», alertou, garantindo que «os trabalhadores da Administração Pública não desarmam».

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: