Breves
Avança na China luta contra pobreza

Mais de 10 milhões de cidadãos pobres da China sairão dessa situação no final do ano, com o que o país conseguirá melhorar as condições de vida de 95 por cento da população desfavorecida. Em Pequim, um alto dirigente do Conselho de Estado, Liu Yongfu, informou que para alcançar tal meta a China elevará o bem-estar sócio-económico de 90 por cento dos condados empobrecidos. Realçou a necessidade de todas as instituições envolvidas nesta tarefa redobrarem os esforços, garantindo a qualidade e eficiência do trabalho, de modo a cumprir em 2020 o objectivo de pobreza zero. No próximo ano, o Estado chinês concluirá o plano quinquenal visando a construção de «uma sociedade modestamente próspera». Mais de 68 milhões de pessoas de zonas rurais beneficiaram destas medidas, que reduziram de 10,2 para 3,1 por cento a taxa de pobreza nacional.


Abdelmayid Tebune foi eleito na Argélia

Abdelmayid Tebune ganhou a eleição presidencial de 12 de Dezembro na Argélia logo à primeira volta, informou em Argel a Autoridade Nacional Eleitoral Independente. Tem 73 anos, foi ministro da Habitação e da Informação e, durante alguns meses, primeiro-ministro. Obteve 58 por cento dos votos, tendo a taxa de participação sido ligeiramente superior a 40 por cento. Foram às urnas mais de nove milhões de cidadãos, o que equivale a 41,14 por cento dos eleitores. No dia da votação, centenas de pessoas mobilizaram-se em várias cidades contra a realização do escrutínio, considerando-o uma forma de perpetuar o poder dos militares e dos partidários do ex-presidente Abedelaziz Bouteflika, forçado a demitir-se em Abril, quando, doente, candidatou-se a um quinto mandato. O chefe do Estado interino da Argélia é Abdelkader Bensalah, ex-presidente do parlamento. O presidente eleito, Abdelmayid Tebune, que derrotou nas urnas quatro candidatos, é apontado como próximo do general Ahmed Gaid Salah, chefe do estado-maior das forças armadas.