Resolução visa obstaculizar normalização das relações entre Cuba e a UE
Parlamento Europeu faz provocação e ataque contra Cuba e povo cubano

CAMPANHA Os deputados do PCP no Parlamento Europeu e o Grupo Confederal da Esquerda Unitária Europeia/ Esquerda Verde Nórdica (GUE/NGL) votaram contra uma resolução que visa alimentar a campanha contra Cuba, promovida pelos EUA.

A resolução aprovada a 29 de Novembro no Parlamento Europeu (PE) é «um inaceitável exercício de falsificação e de considerações grotescas que procura abrir caminho à mais descarada ingerência e promoção da acção de desestabilização contra Cuba e o povo cubano, procurando retomar a postura e conteúdo da denominada Posição Comum da União Europeia (UE) sobre Cuba – adoptada em 1996 e revogada em 2016 – que constituía uma clara afronta à carta das Nações Unidas e ao Direito Internacional», refere uma nota de imprensa do Gabinete de Imprensa dos deputados do PCP no PE.

O objectivo indisfarçável desta resolução é o de obstaculizar a necessária normalização das relações entre Cuba e a UE, caminho aberto com a assinatura do Acordo de Diálogo e Cooperação e a ratificação deste pelos estados-membros, denuncia o PCP.

A resolução omite grosseiramente o criminoso bloqueio imposto pelos EUA, que há 60 anos atenta contra Cuba e que constitui uma autêntica guerra económica com gravíssimos prejuízos para a economia e o desenvolvimento deste país e uma violenta e sistemática agressão aos direitos do povo cubano.

A resolução omite igualmente as consequências do carácter extra-territorial do bloqueio imposto pelos EUA – nomeadamente para as economias de diversos estados-membro da UE, bem como o agravamento do bloqueio, nomeadamente com a activação dos artigos III e IV da Lei Helms-Burton, por parte da administração Trump.

«Ilegal e criminoso»
bloqueio económico

Trata-se de uma resolução que «omite e convive mal com as conquistas e avanços da Revolução Cubana, nomeadamente no plano dos direitos políticos, económicos, sociais e culturais e da sua reconhecida política de solidariedade internacional, nomeadamente no campo da saúde, não obstante o bloqueio que lhe é imposto, falsificações e omissões que elucidam quanto às reais intenções dos promotores e apoiantes desta resolução».

Os deputados do PCP no PE repudiam esta resolução, os seus conteúdos e objectivos. Continuarão a denunciar e a exigir o fim do ilegal e criminoso bloqueio económico, comercial e financeiro contra Cuba, o respeito pela independência e soberania de Cuba e do povo cubano, e a promover a normalização de relações entre Cuba e os estados-membros da UE, no pleno respeito da Carta das Nações Unidas e do direito internacional.

Os deputados do PCP no PE «saúdam a resistência e determinação de Cuba e do povo cubano na luta contra o intervencionismo e a ingerência dos EUA, na defesa do direito soberano a decidir do seu destino e de prosseguir o caminho da revolução socialista, enfrentando com determinação a violenta ofensiva do imperialismo norte-americano e das forças reaccionárias na América Latina e Caraíbas».




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: