Breves
MANGUALDE
Repressão na PSA não pode ficar impune

A Direcção da Organização Regional de Viseu do PCP denuncia a inacção do Governo para dar resposta às questões colocadas em Julho pelo grupo parlamentar comunista relativamente à intensificação da exploração na fábrica da PSA/Citröen em Mangualde.

Num comunicado recente, o Partido dá voz ao sindicato do sector, que acusa a administração de ter lançado um «procedimento cirúrgico» contra trabalhadores que aderiram à greve à bolsa de horas, em defesa do direito à conciliação do trabalho com a vida pessoal e familiar, contra a desregulação dos horários de trabalho. O objectivo é, garante a estrutura sindical, passar estes trabalhadores para o turno fixo nocturno e proceder a um corte indevido de prémios. A estas acrescem outras ilegalidades, como turnos muito extensos, subcontratação e substituição de trabalhadores em greve.

Se é certo que da intervenção institucional do PCP resultou uma acção da Autoridade para as Condições de Trabalho, que terá notificado a empresa para repor parte do prémio de presença até ao final do ano, «tal não aconteceu até ao momento». O Partido sublinha ainda o facto de a PSA, apesar de produzir «todas as marcas da nova geração de veículos comerciais ligeiros do Grupo PSA (Peugeot, Citröen e Opel), aumentar a exploração dos seus trabalhadores. Acresce a isto o facto de ter beneficiado, ao longo dos anos, de substanciais apoios públicos, traduzidos em dezenas de milhões de euros e amplas isenções fiscais.


AMADORA
Sérias lacunas na ferrovia e no apoio aos bombeiros

O deputado Duarte Alves esteve no concelho da Amadora, no dia 25 de Novembro, a participar numa jornada de contacto com as populações e os utentes na Linha de Sintra, promovida pela Comissão Concelhia do Partido. Nos 3000 folhetos distribuídos denunciava-se a preocupante situação do serviço prestado pela CP, quer na Linha de Sintra quer em toda a rede ferroviária, bastante lesiva para os utentes. O PCP exige a sua célere resolução, mediante a aquisição de novos comboios e a reparação dos actualmente existentes. Daí que a reactivação das instalações da EMEF, na antiga Sorefame, seja uma questão essencial para os comunistas.

Nesse mesmo dia, o deputado comunista esteve também reunido com a direcção e o comandante dos Bombeiros Voluntários da Amadora, tendo ficado uma vez mais evidente a falta de apoio do Governo às associações de bombeiros voluntários, expressa desde logo nas parcas verbas que lhes são destinadas. Acresce a isto os atrasos na transferência das verbas destinadas ao dispositivo aos fogos florestais, a ausência de apoio ao preço do gasóleo, à semelhança do que já se faz no «gasóleo verde» para agricultura e pescas, ou a redução do preço da água e energia. Só na Amadora, os bombeiros acorrem a 53 emergências por dia, em média.