Breves
Apoios públicos à Web Summit

Os vereadores do PCP na Câmara Municipal de Lisboa defendem que o valor do subsídio do município à Web Summit deveria ser canalizado para «minimizar os efeitos negativos que a carga turística provoca à cidade e à sua população». Não desvalorizando a importância do evento, o PCP sublinha que a Web Summit é organizado por uma «entidade privada que visa o lucro», discordando da atribuição de um subsídio de três milhões de euros por ano, a que acresce um conjunto de apoios indirectos. No que respeita ao local actual da Web Summit e a compromissos futuros, os vereadores do PCP nada têm a opor à ampliação da FIL ou à construção de outro centro de congressos e exposições na capital, mas defendem que esse investimento seja «direcionado a promover a satisfação do progresso económico e das necessidades públicas».


Câmara do Seixal exige hospital

A Câmara Municipal do Seixal aprovou, em reunião de câmara, uma tomada de posição pela construção do novo hospital no concelho. O documento refere as necessidades existentes e a falta de investimento do Governo, destacando a construção do hospital como uma necessidade urgente e inadiável. Na ocasião, o presidente da autarquia, Joaquim Santos, lembrou que a construção do Hospital do Seixal é uma «reivindicação com quase duas décadas, cuja necessidade está tecnicamente fundamentada». A situação precária do Hospital Garcia de Orta, em Almada (que serve a população do Seixal), é mais um argumento a dar razão à reivindicação do município e da sua população.

Em Dezembro de 2015, a Assembleia da República aprovou uma resolução pela construção do hospital público no concelho. Porém, «passados quatro anos e uma legislatura, ainda nem o projecto do hospital foi selecionado».