Aconteu
Prata mundial para João Vieira

O atleta João Vieira sagrou-se vice-campeão mundial, na prova de 50km marcha, na madrugada de domingo. Esta foi a primeira medalha conquistada por portugueses no campeonato mundial de atletismo, que decorre em Doha (emirado do Catar), de 27 de Setembro a 6 de Outubro.

A partida foi dada às 23h30, para evitar o calor e a humidade, que mesmo assim se mantiveram acima de 31 graus e a cerca de 70 por cento. João Vieira chegou em segundo lugar, com a marca de 4h04m59s, 39 segundos depois do japonês Yusuke Suzuki, novo campeão do mundo.

Com 43 anos de idade, João Vieira é agora o mais velho medalhado em mundiais de atletismo e o segundo atleta com mais presenças em mundiais.

A delegação portuguesa em Doha conta com 15 competidores, destacando-se as modalidades de triplo-salto, marcha e disco.


Gesto nobre de Brian Braima

Braima Suncar Dabó, da selecção da Guiné-Bissau, conquistou na sexta-feira, 27 de Setembro, a admiração de milhões de pessoas e uma vibrante ovação no Estádio Khalifa, em Doha, no primeiro dia do campeonato mundial de atletismo. Na prova eliminatória de 5000 metros, o atleta de 26 anos, que está a concluir o curso de Gestão do Instituto Politécnico de Bragança, interrompeu a sua prestação para ajudar Jonathan Busby a cortar a meta. Este atleta de Aruba (ilha nas Caraíbas que integra o Reino dos Países Baixos) mostrava-se à beira do colapso físico, já na última volta, quando Braima o agarrou e ajudou, durante mais de um minuto, até passarem juntos a linha de chegada.


Milhares de eleitores anteciparam o dia 6

Nos 18 distritos e nas 11 ilhas do território nacional decorreu no domingo, 29 de Setembro, a votação antecipada em mobilidade para as eleições legislativas de 6 de Outubro. Para usufruírem deste direito, inscreveram-se 56 291 eleitores, quase o triplo dos 19 584 inscritos para a eleição do Parlamento Europeu, a 26 de Maio. Votaram 50 638 (90 por cento).

Entre 23 e 26 de Setembro foram recolhidos votos de 2802 cidadãos presos ou doentes (internados) que solicitaram voto antecipado.

Para eleitores deslocados no estrangeiro e recenseados em território nacional, houve a possibilidade de votar antecipadamente, entre 24 e 26 de Setembro, em embaixadas ou consulados, tendo ocorrido várias situações de falta de boletins de voto.

Até 30 de Setembro, a Administração Eleitoral (MAI) tinha recebido 49 621 cartas de resposta ao voto postal remetidas por eleitores residentes no estrangeiro. A contagem prossegue, uma vez que as cartas podem ser enviadas, o mais tardar, no dia 6, e devem chegar a tempo das assembleias de recolha e contagem de votos, a 16 de Outubro, em Lisboa. Para quem expressamente o preferiu (2240 eleitores, num total de 1 466 754), o voto no estrangeiro será presencial, a 5 ou 6 de Outubro.

Para estas eleições estão recenseados 10 810 662 eleitores, dos quais 8 857 065 no Continente, 257 897 na RA da Madeira e 228 946 na RA dos Açores.


Carreiras longas sem «factor»

Desde 1 de Outubro, os trabalhadores com 60 anos de idade e, pelo menos, 40 anos de descontos, podem reformar-se sem estarem sujeitos ao corte de 14,7 por cento, relativo ao «factor de sustentabilidade».

A alteração deve-se à aplicação de uma norma do Orçamento do Estado para 2019, que desde Janeiro abrangia apenas quem tinha pelo menos 63 anos de idade. Além da descida do limite etário, passaram a ser abrangidos também os funcionários públicos cujas reformas são pagas pela Caixa Geral de Aposentações, e não apenas os trabalhadores que descontaram para a Segurança Social. Permanece a penalização de 0,5 por cento por cada mês de antecipação da reforma.

Os regimes já existentes de reforma antecipada vigoram em paralelo com as novas regras, sendo aplicado o princípio do mais favorável.

A norma do OE 2019 foi proposta pelo PCP, que defende a reforma sem penalização para todos os trabalhadores com 40 anos de descontos.



Resumo da Semana
Frases