A cultura na sua acepção mais ampla está por toda a Festa
Uma viagem de três dias na Atalaia pelo País e o Mundo

CULTURA As lutas e aspirações dos trabalhadores e do povo português, assim como as suas tradições, estarão presentes nos pavilhões das organizações regionais do PCP espalhadas pelo recinto da Festa.

Em nenhuma outra iniciativa como na Festa do Avante! está tão presente a diversidade cultural do País, as suas tradições populares, o seu artesanato e gastronomia e, também, os problemas, aspirações e lutas das suas populações. Os espaços das organizações regionais do PCP trazem à Festa, ano após ano, exposições políticas nas quais expressam lutas em curso e propostas para os solucionar, mas também importantes efemérides ou manifestações particularmente vivas da cultura regional. E, claro, os vinhos, a doçaria, os pratos típicos e, por vezes, também o folclore.

Este ano, dada a proximidade das eleições legislativas, estarão muito presentes os candidatos e propostas da CDU nas diversas regiões, o que dará visibilidade ao que foi alcançado nos últimos quatro anos e ao muito que importa ainda concretizar, com mais votos e deputados do PCP e do PEV. Se dito (ou escrito) assim pode parecer monótono, a realidade é que nesses pavilhões dar-se-á expressão a questões tão diversas como o trabalho com direitos, a saúde, a educação, a habitação e a mobilidade, a defesa do ambiente, dos ecossistemas e do património. Tão diversas, portanto, como os sabores, aromas e sonoridades das tradições…

É também nos restaurantes e bares desses espaços que, à volta de uma mesa, são passados muitos dos melhores momentos de convívio da Festa.

Os Pavilhões da Mulher, da Emigração e da Imigração merecem igualmente uma visita e – por que não? – demoradas estadias por tudo o que têm para oferecer: convívio e gastronomia, desde logo, mas também a oportunidade de se reflectir acerca dos problemas com que se debatem as mulheres na sua luta pelo cumprimento do seus direitos e por uma efectiva igualdade, mas também os portugueses que vivem na diáspora e todos os que, oriundos dos quatro cantos do mundo, escolheram Portugal para viver e trabalhar.

Solidariedade, paz, soberania

O Espaço Internacional, localizado no alto do recinto, junto à entrada da Quinta da Princesa, é por excelência o local da solidariedade, da amizade e da paz. Ali estarão uma vez mais representados dezenas de partidos comunistas e forças revolucionárias e progressistas de todo o mundo, que partilham com os visitantes da Festa não apenas a sua cultura como também as lutas que travam pela democracia, o progresso, a paz e o socialismo. Para além de dezenas de bancas com materiais políticos, há bares e restaurantes, um espaço próprio para debates e o Palco Solidariedade.

Este ano, das múltiplas delegações que uma vez mais visitarão a Festa – que fazem dela uma grande expressão de solidariedade internacionalista – várias estarão presentes com stands próprios no Espaço Internacional: Partido A Esquerda (Alemanha), MPLA (Angola), Partido do Trabalho da Bélgica, Partido Comunista do Brasil, Partido dos Trabalhadores (Brasil), PAICV (Cabo Verde), Partido Comunista do Chile, Partido Comunista da China, Partido Comunista Colombiano, Partido Comunista de Cuba, Partido Comunista de Espanha, Comunistas da Catalunha, Bloco Nacionalista Galego, Partido do Povo do Irão, Partido dos Trabalhadores da Irlanda, Partido Comunista Italiano, Partido da Refundação Comunista (Itália), Partido FRELIMO (Moçambique), Organização para a Libertação da Palestina, Frente Popular de Libertação da Palestina, Partido Comunista Peruano, Partido Comunista Britânico, Frente Polisário (Saara Ocidental), FRETILIN (Timor-Leste), Partido Comunista da Turquia, Partido Comunista do Vietname.

Haverá ainda, como habitualmente, o Espaço da Paz e os pavilhões da Associação de Amizade Portugal-Cuba e a Associação Iuri Gagárine.

Os debates do Espaço Internacional versarão temas como a União Europeia, a América Latina, o capitalismo e a destruição do ambiente, a defesa da paz e da soberania e o Médio Oriente. A solidariedade internacionalista estará presente em todo o recinto, com iniciativas em diversos espaços de apoio à luta dos povos da Ucrânia, África, Venezuela, Cuba, Palestina, Colômbia, Saara Ocidental e Brasil. No próprio Palco Solidariedade será expresso o apoio dos comunistas portugueses aos povos da América Latina e Caraíbas como também da Palestina e restante Médio Oriente.

A programação completa e pormenorizada está disponível na Revista da Festa.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: