Oposição derrota Maurício Macri nas eleições primárias argentinas

O presidente Maurício Macri sofreu uma pesada derrota nas eleições primárias, abertas, simultâneas e obrigatórias realizadas na Argentina, no domingo, 11.

A Frente de Todos, que apresentou a pré-candidatura de Alberto Fernández a presidente da República e a de Cristina Fernández a vice-presidente, obteve 47,34% dos votos, contra os 32,24% da proposta Juntos pela Mudança, de Macri, responsável pela imposição de políticas económicas neoliberais que têm castigado fortemente as classes trabalhadoras e os sectores mais frágeis da população argentina.

A dupla Alberto Fernández e a antiga presidente da República Cristina Fernández conseguiu uma ampla maioria em quase todas as províncias do país e deixou a 15 pontos percentuais Macri, um resultado que este considerou «inesperado», reconhecendo que a sua proposta política «teve uma má eleição».

Os analistas consideram contundente a derrota dos partidos governantes, sobretudo no seu principal bastião, a província de Buenos Aires, onde o pré-candidato a governador, da Frente de Todos, Alexl Kicillof, alcançou 49,17% dos votos, à frente da actual governadora, Maria Eugénia Vidal, da maioria no poder, com 32,76%.

Nestas eleições primárias, seis duplas de pré-candidatos, de um total de 10, conseguiram os mais de 1,5% de votos necessários para se apresentarem nas eleições presidenciais de 27 de Outubro. Atrás da Frente de Todos e da Juntos pela Mudança, ficou a força Consenso Federal, liderada por Roberto Lavagna, ex-ministro da Economia, com 8,34%.

Muitos analistas consideram que esta primeira fase das eleições mostrou uma Argentina que clama por outro modelo de país, diferente do actual, onde caibam todos.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: