• António Santos

O criminoso volta sempre ao local do crime

As t-shirts com bandeiras americanas colavam-se aos corpos, bonés vermelhos MAGA (Tornar a América Grandiosa Novamente) saltavam como tampas de cabeças inchadas para que os seus donos recolhessem o suor, várias mulheres abanavam leques ao ritmo de música country, procurando em vão refrescar as carnes brancas, cozidas em banho-maria num estádio de Panama City, na Florida, que, nessa tarde de 8 de Maio de 2019, indicava 34 graus. E estava a aquecer. Finalmente, anunciado por uma voz histriónica como um lutador de wrestling, Trump surgiu em palco, apoteótico, engravatado e fisicamente imune ao aquecimento local e global. O comício entrou em ebulição. Perante a visão do magnata, uma enorme massa humana, com as credenciais da classe laboriosa estampadas no rosto, levantou-se. Parecia ter-se esquecido momentaneamente do insuportável calor, pegajoso e húmido. A maioria gritava «Trump! Trump!», alguns pediam a construção do muro, já outros, desactualizados, entoavam consignas pela prisão de Hillary Clinton. Igual a si próprio, o presidente garantiu ser o melhor presidente de sempre em todas as áreas da actividade humana e ridicularizou os seus adversários democratas. O público ora ria, ora aplaudia efusivamente. «Eles não param de chegar» avisou, grave, o presidente, «estamos muito preocupados, são pessoas muito más» O comício emudeceu «Estamos a construir o muro e vamos tornar a América grandiosa novamente, mas não se esqueçam: não os deixamos [os guardas na fronteira] usar armas. Não os deixamos. Outros países deixam. Nós não. Como paramos esta gente?». Alguém no público gritou: «Matando-os!». Trump riu-se. A massa humana acompanhou-o no sentido de humor.

Fazendo eco das palavras e dos risos de Trump, um fascista no dia 3 de Agosto, , abriu fogo num hipermercado de um bairro latino de El Paso, no Texas, matando 22 pessoas. Num manifesto publicado na internet, o terrorista fez saber que estava a combater a «invasão hispânica». Entre 31 de Agosto e 3 de Julho, em menos de quatro dias, três tiroteios indiscriminados em Gilroy, na Califórnia, em El Paso, no Texas e em Dayton, no Ohio mataram 34 pessoas e feriram pelo menos 60. Somam-se aos 256 tiroteios em massa que ocorreram só nos primeiros sete meses deste ano, uma média de 1,2 tiroteios em massa todos os dias.

Os tiroteios em massa e o fascismo são dois sintomas da mesma patologia social. A violência fermentou um século na sociedade estado-unidense e transborda agora em tiroteios e em fascismo. A violência foi ritualizada no cinema, entornada em guerra contra o mundo inteiro, tolerada no quotidiano da polícia, justificada pelo racismo e empunhada orgulhosamente pelos pais-fundadores para escrever as páginas da História. Mas a forma de violência mais prevalecente, e a mais insidiosa, é a desigualdade que premeia todos os aspectos da vida social e política nos EUA. O descontentamento social ou é revolucionário ou é patológico e nos EUA ele transforma-se em frustração e em alienação que intensificam todas as formas de psicopatia, racismo, homofobia e xenofobia. O clima de pânico permanente generaliza-se, alimenta-se de si próprio e, sobretudo, favorece Trump.

Os comentários racistas de Trump encorajam os atentados que por sua vez justificam a concentração de mais poderes securitários e o fortalecimento do aparelho repressivo do Estado. Trump não é apenas cúmplice dos atentados fascistas, é o seu autor. E foi como tal que foi recebido após a tragédia em El Paso, onde foi deixar os seus cínicos «pensamentos e orações». Milhares de pessoas, incluindo os profissionais de saúde que cuidavam das vítimas, protestaram nas ruas contra a presença do presidente, que acusaram de ser co-autor dos tiroteios.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: