Espanha: novos contactos para formação do governo

Depois de falhar a primeira tentativa de reeleição como presidente do governo, o líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez, anunciou em Madrid que retomará os contactos políticos tendo em vista conseguir apoios parlamentares para um executivo minoritário.

O primeiro-ministro em funções explicou em Madrid que em finais de Agosto ou princípios de Setembro retomará negociações com as forças parlamentares «susceptíveis» de apoiar a sua investidura.

«Falaremos com o Partido Nacionalista Basco, o Partido Regionalista de Cantabria, as forças nacionalistas da Catalunha e, logicamente, com Unidas Podemos (UP), para ver se conseguimos chegar a um acordo que materialize um governo progressista», precisou.

Adiantou que apresentará uma «proposta aberta» de programa a todas as formações dispostas a apoiar a sua reeleição.

Vencedor das eleições de 28 de Abril, mas apenas com 123 dos 350 assentos no Congresso dos Deputados, Sánchez precisa de aliados para continuar à frente do governo espanhol, aonde chegou em Junho de 2018 com uma moção de censura contra o governo de direita de Mariano Rajoy.

Numa primeira tentativa, a 25 de Julho, o líder do PSOE não conseguiu apoio suficiente na câmara baixa das Cortes, nem sequer da UP liderada por Pablo Iglésias, que se absteve.

Se até 23 de Setembro Sánchez não conseguir os acordos imprescindíveis para ser investido como chefe do governo de Espanha, serão convocadas automaticamente novas eleições para 10 de Novembro – as quartas em quatro anos.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: