45 anos de abuso de poder e irresponsabilidade política
Madeirenses e porto-santenses desejam uma mudança política

REGIONAIS «A Madeira não necessita de um Governo Regional de maioria absoluta», declarou, no passado dia 7, Ana Salgueiro, mandatária da candidatura da CDU às eleições regionais marcadas para 22 de Setembro.

A afirmação foi proferida no final da entrega da lista da CDU no Tribunal da Comarca da Madeira. Para a mandatária, não é «abusivo considerar que a grande maioria dos madeirenses e dos porto-santenses deseja uma mudança» política que permita ir «aliviando os muitos sintomas e sarando as muitas feridas deixadas no território e no tecido social da Madeira, por essa doença de 45 anos» que classificou de «inexistência de alternância política».

«A Madeira tem todos os sintomas sociais, culturais, económicos, políticos, até psicológicos, de uma doença que alastrou ao longo de 45 anos: a doença da inexistência de alternância política, alimentada pelo medo da mudança e geradora de enormes vícios de que muitos desses meus interlocutores se lastimavam», apontou Ana Salgueiro, citada pela Lusa.

A mandatária enunciou que esta alegada «doença» foi geradora de «abuso de poder e irresponsabilidade política; corrupção e nepotismo; ausência de espírito crítico construtivo e de uma cultura de rigor e excelência; desrespeito por leis e regulamentos, por instituições e pessoas».

Por isso, mencionou que a Região precisa de «um Parlamento Regional constituído por pessoas válidas, sérias, dedicadas à “coisa pública”, com provas dadas e disponíveis para o debate construtivo de ideias e de projectos que criem maior justiça social e sustentabilidade ecológica».

A lista da CDU às eleições de 22 de Setembro é encabeçada pelo Coordenador do PCP, Edgar Silva, seguindo-se Sílvia Vasconcelos, Ricardo Lume, Alexandre Fernandes e Marco Fernandes.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: