Voto ecologista é na CDU reclamam «Os Verdes»

CRESCER O PEV apresentou 12 compromissos que reforçam a ideia de que o voto ecologista é na CDU. A protecção da natureza e da biodiversidade é uma das prioridades.

As linhas programáticas do Partido Ecologista «Os Verdes» (PEV) foram dadas a conhecer, na sexta-feira, 5, junto à Estação Ferroviária de Santa Apolónia, em Lisboa.

Na iniciativa – com simpatizantes, activistas, deputados e dirigentes de ambos os partidos da Coligação – foram ainda apresentados os 31 candidatos do PEV que vão integrar as listas da CDU para a Assembleia da República (22 mulheres e nove homens).

O primeiro compromisso passa por «agir pelo clima». «A luta ecologista, por um ambiente sadio e pela vivência em harmonia com a natureza, é uma luta de todos», reforça-se no documento apresentado. Neste ponto, propõe-se incentivar medidas de redução das emissões de gases de efeito de estufa; dotar os serviços de saúde pública com conhecimento e informação para actuarem em casos de doenças tropicais; apostar num consumo alimentar mais sustentável; alterar o paradigma agrícola, optando por culturas menos intensivas que sejam menos dependentes da água; prevenir os fogos florestais com uma floresta resiliente; dotar o País de um sério plano de adaptação e mitigação das alterações climáticas.

«Melhorar os transportes públicos» é outra das propostas dos ecologistas. Depois de o PCP e o PEV terem conseguido baixar o preço do passe social e aumentar a sua abrangência nas áreas metropolitanas do Porto e Lisboa, «é fundamental continuar esta luta e alargar a medida a todo o País e investir em mais e novos meios de transporte público», destacam os ecologistas, que defendem «um maior investimento na melhoria do transporte». «Só um sistema de transporte com horários adequados, com regularidade assegurada, que integre as diferentes modalidades de transporte (ferroviário, rodoviário e fluvial) será capaz de dar respostas de mobilidade para todo o território português», assegura o PEV.

Entre outras soluções, avança-se com a necessidade de investir «nos transportes ferroviários, adquirindo novos comboios, contratando mais trabalhadores e investindo na electrificação das linhas e nos metropolitanos em meio urbano» e «impedir a construção do novo aeroporto de Lisboa em cima de zonas ambientalmente sensíveis».

Outra das prioridades passa por «Produzir e consumir local», para «defender a agricultura familiar e biológica». «Os circuitos curtos de distribuição garantem uma pegada ecológica menor e contribuem para a descarbonização, para o combate ao desperdício alimentar e a segurança de qualidade do produto», afirmam «Os Verdes», reclamando do Estado a «inclusão nas cantinas públicas da preferência por produtos locais, contribuindo para a economia local e para o desenvolvimento da agricultura livre de organismos geneticamente modificados». Para os ecologistas, é também necessário «incentivar à utilização de menos adubos, menor consumo de água e incentivar a prática de métodos de produção que não contribuam para a saturação dos solos».


Combater a poluição

Entre os 12 compromissos, destaque para a necessidade de «Diversificar a floresta». «As florestas assumem uma vertente social e económica muito relevante para além das variadas actividades de lazer e convívio que é possível realizar», sublinha o PEV, assegurando: «O investimento na floresta portuguesa, diversificada com o predomínio das espécies autóctones, é a possibilidade de se desenvolver o interior e de promover o desenvolvimento do mundo rural, que não pode ser desligado da agricultura familiar».

Recordando que foi por sua insistência que as monoculturas de eucaliptos foram travadas na actual legislatura, «Os Verdes» alertam agora para as consequências do olival super-intensivo, que, tal como os eucaliptos, «agrava a poluição dos lençóis freáticos», com os pesticidas e adubos utilizados, e «limita o desenvolvimento da economia e da sustentabilidade alimentar».

«Reduzir o uso de plásticos» é outra das prioridades de «Os Verdes». «O problema da poluição marítima e ambiental causada pelo plástico chama a atenção de todos nós para a dependência deste material no nosso dia-a-dia», afirmam os ecologistas, observando que «o plástico está tão presente que parece quase impossível deixar de viver sem este material, principalmente o plástico descartável». Promover a criação de bebedouros públicos nas escolas e nos parques e incentivar à venda de produtos frescos (fruta, pão e outros) são duas das ideias que «Os Verdes» querem concretizar.

«Defender a Escola Pública», «Reforçar o Serviço Nacional de Saúde», «Promover a habitação para todos», «Promover o desenvolvimento do interior do País», «Travar a perda de biodiversidade», «Lutar por direitos iguais» e «Promover a paz» são os restantes compromissos do PEV.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: