Editorial

«a CDU é a força portadora de um projecto de futuro»

RAZÕES PARA DAR MAIS FORÇA À CDU

O PCP e a CDU prosseguem a sua acção intervindo e lutando em defesa dos direitos dos trabalhadores, do povo e pelo desenvolvimento do País. É nesta acção que se insere a luta que o PCP trava, com propostas concretas, para uma nova Lei de Bases da Habitação em preparação na Assembleia da República; e também com numerosas propostas para uma nova Lei de Bases da Política de Saúde que garanta um Serviço Nacional de Saúde com a gestão pública de todas as suas unidades e serviços; para acabar com as taxas moderadoras e todos os obstáculos que impedem o acesso aos cuidados de saúde de qualidade, em segurança e atempadamente, o que implica, como tem sido insistente reclamação do PCP, o investimento no serviço público de saúde com os meios (financeiros, técnicos e humanos) necessários. E enquanto o PSD e o CDS tudo fazem para desestabilizar o Serviço Nacional de Saúde, procurando aproveitar legítimos descontentamentos para fins eleitorais – partidos que têm elevadas responsabilidades pelos problemas existentes – o PS insiste em manter as taxas moderadoras e a possibilidade de gestão privada de unidades e serviços de saúde. Ao invés, o PCP intervém em defesa do Serviço Nacional de Saúde e reclama os meios para que o mesmo possa responder com qualidade às necessidades dos utentes. Foi essa a razão que levou Jerónimo de Sousa a questionar o primeiro-ministro, no passado dia 19 na Assembleia da República, voltando a reclamar mais acção do Governo para responder aos problemas de saúde, que estão hoje entre as principais preocupações dos portugueses e exigindo um conjunto de medidas urgentes para responder aos problemas que se acumulam.

No mesmo debate quinzenal, Jerónimo de Sousa questionou o primeiro-ministro sobre a necessidade de estender a todo o território nacional a medida de redução do custo dos passes dos transportes com alargamento da oferta e sobre os termos em que foi feita pelo Governo a aquisição do Sistema Integrado das Redes de Emergência de Portugal (SIRESP). Sendo o ambiente e o ordenamento do território o tema em debate, questionou ainda o Primeiro-ministro sobre o que fez o Governo, nomeadamente em termos de investimento e de medidas concretas, para que as vilas e aldeias do nosso mundo rural não continuem desabitadas, para que o território não continue ao abandono.

A CDU avança na preparação das eleições legislativas de 6 de Outubro. Insere-se nesta acção a divulgação esta semana dos seus primeiros candidatos pelos círculos eleitorais de Santarém, Leiria, Faro, Viseu, Açores e Fora da Europa. Fica assim completada a divulgação dos primeiros candidatos da CDU em todos os círculos eleitorais. Sucedem-se as iniciativas de dinamização da campanha em que estes intervêm, como aconteceu em Setúbal, Porto, Pinhel (Guarda), Tortosendo (Castelo Branco), Viana do Castelo e Beja, com a participação do Secretário-geral do PCP.

Avança também a divulgação de outros candidatos e a preparação do Programa Eleitoral do PCP em que se insere a audição da próxima segunda-feira, dia 1, sobre Trabalho e Funções Sociais.

Neste quadro, impõe-se o desenvolvimento de uma grande campanha de massas para mobilizar e esclarecer que em jogo nestas eleições para a Assembleia da República está escolher entre dois caminhos: ou avançar no que se conquistou e responder aos problemas do País com uma política alternativa, ou andar para trás, pela mão de PS, PSD ou CDS. Uma campanha que afirme com confiança que há solução e é possível avançar na resposta aos problemas nacionais, que só as opções do PS, em convergência com o PSD e CDS, têm impedido resolver. Que é possível uma política apostada na elevação das condições de vida dos trabalhadores e do povo, dos seus direitos, salários e pensões de reforma; que é possível continuar o caminho da reposição de direitos e rendimentos; que é dando mais força à CDU, alargando a sua influência política e eleitoral, que se criam as condições para a construção da alternativa patriótica e de esquerda imprescindível ao desenvolvimento soberano do País.

Em simultâneo, desenvolve-se a acção reivindicativa nas empresas e sectores e dinamiza-se a preparação da acção de luta convocada pela CGTP-IN para 10 de Julho contra as propostas do Governo de manutenção das normas gravosas e alteração para pior da legislação laboral.

Desenvolve-se também a acção geral de reforço do PCP (com prioridade à campanha dos 5 mil contactos com trabalhadores, que prossegue) e a preparação da Festa do Avante!, que envolve a sua promoção, divulgação, venda da EP e construção, com a primeira jornada de trabalho marcada para o próximo sábado, dia 29.

Dar mais força à CDU é condição decisiva para avançar. Como a vida tem mostrado, é a CDU a força portadora de um projecto de futuro. A CDU é a força que transporta um caudal imenso de esperança de que é possível uma vida melhor, num Portugal de soberania e de progresso social.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: