Aconteu
Aniversário de Vieira da Silva

Exposições, visitas guiadas, actividades para crianças e concertos assinalaram, dia 13, o aniversário do nascimento da pintora Maria Helena Vieira da Silva (1908-1992).

Os festejos decorreram no museu com o seu nome, em Lisboa, que este ano completa 25 anos.

Criada ainda em vida de Maria Helena Vieira da Silva, e instituída por decreto-lei em 10 de Maio de 1990, a Fundação Arpad Szenes – Vieira da Silva tem como missão garantir a existência de um espaço, no nosso País, onde o público possa aceder à obra dos dois pintores.


Faleceu Marta Harnecker

A escritora chilena Marta Harnecker, intelectual marxista que se destacou também como psicóloga e cientista política, faleceu, dia 15, aos 82 anos. Harnecker era considerada uma referência teórica para os principais movimentos marxistas da América Latina, tendo publicado mais de 80 livros, entre os quais «Conceitos Elementares do Materialismo Histórico».

«O seu legado perde-se de vista pelo alcance, profundidade e carácter propositivo das suas obras dedicadas à causa dos povos», afirmou o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, numa reacção ao desaparecimento da activista nascida no Chile, em 1937. Também a Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN) lamentou o falecimento da escritora, afirmando que «uma das nossas deixou-nos, mas permanecerá sempre em nossas lutas».

Marta Harnecker exilou-se em Cuba após o golpe fascista que derrubou em 1973 o governo constitucional de Salvador Allende, prosseguindo aí o seu trabalho académico e de investigação.


Música erudita em Évora

A música erudita contemporânea voltou a estar em foco em Évora, entre a passada sexta-feira e domingo, na 2.ª edição do festival 20.21. Ópera, música de câmara ou eletroacústica, recitais a solo e conferências preencheram a programação deste Festival 20.21 – Évora Músicas Contemporâneas, sob a direcção artística do pianista e compositor Amílcar Vasques-Dias, numa iniciativa promovido pela Câmara Municipal de Évora, em parceria com a CriaSons e a Arte no Tempo.


Teresa Villaverde no Pompidou

Teve início dia 14, prolongando-se até 1 de Julho, no Centro Pompidou, em Paris, uma retrospectiva da obra da realizadora Teresa Villaverde. Segundo a organização, a mostra evidencia a visão de «uma artista global» sobre a sociedade e o mundo, sem paralelo na Europa.

«Ela tem uma voz muito particular e uma forma singular que não tem equivalente não só no cinema português como no cinema europeu», declarou à Lusa a programadora do Centro Pompidou Amélie Galli.

Além da retrospectiva de 15 dos filme de Teresa Villaverde, no centro de arte moderna da capital francesa decorrerá uma conferência e ainda a estreia de uma curta-metragem financiada pelo Pompidou.


Paulo Branco agraciado com prémio mundial

O produtor português Paulo Branco, que já produziu ou co-produziu mais de 300 filmes, foi distinguido com o prémio mundial das artes Leonardo da Vinci, atribuído pelo Conselho Cultural Mundial, anunciou dia 14 o Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

A atribuição do galardão, que será entregue em cerimónia, em Outubro, na cidade japonesa de Tsukuba, «vem reconhecer a dedicação do produtor português com novas visões de expressões cinematográficas e o seu compromisso em cultivar uma intensa comunicação e actividade entre as diferentes áreas da Cultura, como a Literatura, as Belas-artes e a Música», refere o ICA em nota de imprensa.


«Estuário» de Lídia Jorge vence prémio

A escritora Lídia Jorge é a vencedora do XXIV Grande Prémio de Literatura, com a obra «Estuário». O prémio é atribuído pelo grupo empresarial DST, que anunciou a decisão do júri, dia 14, em comunicado onde diz que a escolha deste romance de Lídia Jorge é devida à «elevada qualidade da sua escrita, absorvendo e reelaborando fragmentos de um quotidiano mutacional».

O Grande Prémio da Literatura existe há quase 25 anos e distingue, rotativamente, livros de prosa e poesia publicados nos dois anos anteriores.



Resumo da Semana
Frases