- Edição Nº2375  -  6-6-2019

Organizações do Partido traçam orientações para o futuro

DEBATE Analisar a situação política, avaliar resultados eleitorais, preparar batalhas futuras e avançar no reforço orgânico são temas presentes nas reuniões dos organismos do PCP aos mais variados níveis.

Na sequência da reunião do Comité Central de 28 de Maio, os organismos do Partido aos mais variados níveis estão a reunir para analisar os resultados das eleições para o Parlamento Europeu, prosseguir a implementação das medidas visando o reforço da organização e intervenção partidária e preparar a acção dos próximos meses, marcados designadamente pela realização da Festa do Avante! (a 6, 7 e 8 de Setembro) e pelas eleições legislativas de 6 de Outubro.

Logo no dia seguinte, a Direcção da Organização Regional de Setúbal (DORS) valorizou os praticamente 40 mil votos arrecadados pela CDU nos nove concelhos da região, fazendo da coligação a segunda força mais votada, com 17,14 por cento. A DORS saúda os que deram o seu voto à CDU e, em especial aos que o fizeram pela primeira vez, e valoriza os candidatos e activistas pela «grande campanha de contacto e esclarecimento» realizada. Para a DORS, não é possível comparar os resultados do passado dia 26 com o das anteriores eleições para o Parlamento Europeu, em 2014. Desde logo porque a conjuntura era, então, totalmente diferente: a aplicação do pacto de agressão punha em evidência de forma particularmente nítida o «papel e consequências das imposições da União Europeia sobre o País». É ainda preciso ter em conta a «descarada campanha difamatória, de deturpação e de silenciamento da intervenção da CDU e do seu trabalho e de animação de preconceitos, que conviveu com a descarada promoção de outras forças».

Relativamente às legislativas de Outubro, a DORS sublinha que é o reforço da CDU a «condição central para que o que foi conquistado com a luta e a persistente acção do PCP e do PEV não ande para trás e para que se avance na defesa, reposição e conquista de direitos e rendimentos». O desenvolvimento da luta reivindicativa nas empresas e locais de trabalho, a efectiva consagração dos direitos à saúde, educação, protecção social, transporte público e habitação são questões prioritárias.

Defender a região

No fim-de-semana, na Horta, esteve reunida a Direcção da Organização da Região Autónoma dos Açores do PCP (DORAA), para quem o «combate permanente pela alteração das políticas que não contribuam para o progresso e desenvolvimento da nossa região» é tarefa primordial. Quanto ao Partido, não deixará de assumir as suas responsabilidades, denunciando políticas «desajustadas e prejudiciais» e propondo medidas que sirvam o arquipélago e a sua população. Inaceitável é, para os comunistas, que persistam por concretizar os apoios para os antigos trabalhadores da Cofaco, previstos na resolução que a Assembleia da República aprovou por unanimidade. A merecer a «firme intervenção» do Governo Regional e do Governo da República está, também, a situação dos trabalhadores da Base das Lajes, que continuam confrontados com um «conjunto de questões laborais que põe em causa os seus direitos», para além de ser ainda incerta a própria manutenção dos postos de trabalho.

Relativamente à iniciativa política, o PCP Açores realiza entre 14 de Junho e finais de Julho «um conjunto de reuniões de organismos e plenários de militantes e uma acção de esclarecimento e propaganda, sob o lema “Avançar é preciso. Mais força à CDU”».