Bombeiros profissionais defendem direitos

Na segunda-feira, dia 6, várias dezenas de profissionais do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa concentraram-se frente à Assembleia da República, em defesa de direitos que estão postos em causa na proposta de regulamentação do estatuto da profissão.

Um dirigente do Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa referiu à agência Lusa que os sapadores não aceitam aquilo que está no texto acerca da disponibilidade permanente e que poderia significar trabalho gratuito nos dias de folga, caso a entidade patronal assim o entenda.

A idade de aposentação estar seis anos acima do previsto no regime geral da Função Pública é uma disposição igualmente contestada, lembrando António Pascoal que em regimes especiais, como na GNR, PSP e Forças Armadas, a lei «aos 55 anos permite que fiquem na reserva e não em linha de socorro». «Os bombeiros passarem a aposentar-se aos 60 anos é inconcebível, impraticável» e «vai colocar em risco a segurança dos bombeiros e das pessoas que socorrem», alertou.

O STML, tal como o STAL (sindicatos da CGTP-IN com representação entre os bombeiros profissionais), condena a posição tomada nestas matérias por outras duas estruturas (ANBP e SNBP). Outras formas de luta serão analisadas em plenários, que se iriam iniciar ontem, adiantou o dirigente.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: