Música de intervenção e protesto no Seixal
Festival do Maio leva música de intervenção ao Seixal

MÚSICA O Parque Urbano do Seixal acolhe, amanhã e sábado, o Festival do Maio. Kusturica and The No Smoking Orchestra e os espetáculos Capicua & Mulheres da Lusofonia e Canções para Revoluções integram ovasto cartaz.

As duas noites de concertos, nos dias 10 e 11 de Maio, têm como objectivo fomentar propostas artísticas que tenham como elemento central do seu discurso a intervenção: da política à crítica social, do activismo ambiental às lutas contra a discriminação de raça e género, passando pelas questões relacionadas com a defesa das identidades culturais e dos direitos à autodeterminação.

A programação do Festival do Maio – uma iniciativa da Câmara Municipal do Seixal, com a direcção artística de Luís Varatojo – assenta em dois eixos fundamentais: a preservação da memória, trazendo a palco o legado histórico da música de intervenção e protesto; e as lutas actuais, dando voz a novos artistas e novos géneros musicais.

O primeiro dia do festival, 10, conta com um dos mais icónicos artistas da música de intervenção feita em Portugal no antes e pós-25 de Abril: Fausto Bordalo Dias. Segue-se Capicua & Mulheres da Lusofonia (Sara Tavares e a rapper angolana Eva Rapdiva). A noite termina com Kusturica and The No Smoking Orchestra.

No sábado, 11, o primeiro concerto cabe a Pedro Jóia e Quarteto Arabesco, com «Canções para Revoluções», a cargo de António Zambujo, Lura, Úxia, Vitorino, Marina Pacheco e Mário Alves.

O festival encerra com «A Revolução Não Passa na Televisão» (DJ Set + VJ Homem do Leme), com uma selecção de música revolucionária de vários pontos do globo feita propositadamente para o evento.

Mais informações em http://www.cm-seixal.pt/festival-do-maio/2019/festival-do-maio.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: