Soluções justas para fazer face ao avanço do mar

As comissões concelhias da Póvoa de Varzim e de Vila do Conde do PCP realizaram, no dia 1, um debate sobre o Plano do Ordenamento da Orla Costeira, que decorreu no Diana Bar, na Póvoa de Varzim. A iniciativa teve lugar no momento em que se encontra em discussão pública o Plano de Ordenamento da Orla Costeira Caminha-Espinho, que envolve os concelhos da Póvoa de Varzim e Vila do Conde.

Participaram no debate dezenas de pessoas, muitas das quais residentes e comerciantes dos dois concelhos, que se mostraram preocupados pela falta de informação e discussão públicas, por parte das entidades competentes, sobre o Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC). A informação existente, lembre-se, é sustentada por um documento de duas mil páginas, logo pouco acessível para a generalidade da população. Para além da dimensão, também a compreensão não é, de todo, simples.

Presente na sessão, o deputado do PCP Jorge Machado começou por referir que o Partido não é contra o POOC, mas critica a forma bombástica e alarmista como este assunto foi tratado pelo Ministro do Ambiente. O desejável, realçou, seria envolver as populações nesta discussão.

O deputado comunista referiu ainda que os acordos relacionados com o POOC tiveram a convergência de vários presidentes de câmara, mas carecem de base científica. Jorge Machado acrescentou que este plano deve dar prioridade a medidas preventivas que salvaguardem o avanço do mar nestes dois concelhos, a exemplo do que acontece em alguns sítios do País, onde se recorre aos «quebra-mares». Para o eleito do PCP, devem ser tomadas medida, urgentes na defesa das populações que estão em risco, que terá que passar pela criação de alternativas de habitação ou indemnizações justas.

Jorge Machado comprometeu-se a levar, em breve, à Assembleia da República as preocupações manifestadas pelos presentes no debate.





 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: