O que há ainda de mais trágico nesta conceção do «comentário» é que os «residentes» são-no porque se autoproclamam competentes em tudo. E quando abordam temas que o leitor, ouvinte, espetador ou internauta conhece, é manifesto que a ignorância dos ditos «comentadores» é por vezes incomensurável.”

(J.M. Nobre Correia,
Público, 17.11.18)

 

O que se faz na grande maioria dos media de informação portugueses pouco ou nada tem a ver com os géneros nobres do jornalismo”

Idem, ibidem

 

 

Mas a sociedade cada vez mais ‘animalocêntrica’ que estamos a criar, em que o amor por um animal, ou por vários animais, começa a ser considerado superior ao amor por um humano ou vários humanos, é a base de sustentação para grupos extremistas (…).”

(Ana Sá Lopes, Público,
17.11.18)

 

Guerra de nacionalismos e de projetos imperialistas contrapostos, fechada com uma paz que guardava no ovo a serpente das novas guerras, temos muito a aprender com 1918.”

(Manuel Loff,
Público, 17.11.18)

 

Mais uma vez, o crime compensa: o Governo desinveste das suas competências e as autarquias, perante os problemas, financiam o Governo.”

(Rui Sá,
Jornal de Notícias, 19.11.18)

 

 

Há três grandes rotas dos criminosos de guerra. Uma foi a que se chamou Rota da Liberdade, que foi a operação Papel Clip, montada pela CIA para resgatar da Europa todos os nazis que tinham participado em experiências científicas (…).”

(Eric Frattini,
ibidem)

 

São as pessoas que lutam diariamente pelo pão de cada dia, por uma casa digna e pela saúde e educação dos filhos que são, afinal, os mais afectados pelos problemas de segurança: a falta de paz que aflige hoje tanta gente que reside em áreas degradadas e afastadas dos lugares de trabalho.»

(António Cluny,
i, 20.11.18)

 

Esquecer isso, abrigado num condomínio fechado ou numa universidade de elite, pública ou privada, não ajuda a reforçar a credibilidade da democracia nem a isolar os discursos fascizantes.”

Idem, ibidem