Breves
Papa: injustiça causa pobreza

O papa Francisco afirmou que a injustiça é a raiz perversa da pobreza e que o grito dos pobres é cada dia mais forte mas também menos ouvido. Por ocasião da II Jornada Mundial dos Pobres, no Vaticano, o chefe da Igreja Católica realçou que «cada dia esse grito é mais forte mas cada dia se escuta menos, sufocado pelo barulho de uns poucos ricos, que são cada vez menos mas mais ricos». O papa descreveu esse grito como o «dos pequenos que sofrem de fome» ou o «dos rapazes acostumados ao estrondo das bombas em lugar do alegre alvoroço das brincadeiras». É o grito «dos que enfrentam as tormentas da vida sem uma presença amiga, dos que têm de fugir deixando a casa e a terra sem a certeza de um destino, de populações inteiras privadas também dos enormes recursos naturais de que dispõem». É o grito, enfatizou, «de tantos Lázaros que choram, enquanto uns poucos opulentos banqueteiam-se com o que em justiça pertence a todos».


Mais protestos na Macedónia

Prosseguem os protestos na Macedónia contra a mudança do nome do país. Uma grande manifestação contra a mudança de nome e pela anulação do acordo com a Grécia sobre essa questão efectuou-se no domingo, 18, diante do parlamento, em Skopje, a capital macedónia. Convocada pelo movimento cidadão «Boicotemos as mudanças constitucionais», o protesto pronunciou-se contra dar uma denominação ao país que não seja Macedónia e considerou ilegal qualquer outra opção, ao mesmo tempo que pediu a demissão do governo, a dissolução do parlamento e eleições antecipadas. Os oradores na manifestação exigiram parar os procedimentos no órgão legislativo para introduzir emendas constitucionais em relação ao nome e romper o acordo assinado em Junho com a Grécia, mediante o qual se propõe o nome de República da Macedónia do Norte. Foram convocadas novas acções de protesto contra o governo do primeiro-ministro Zoran Zaev, artífice do acordo com Atenas.