Concentração e greve na Cerealis

Trabalhadores da Cerealis concentraram-se ontem de manhã à porta da fábrica da Maia do grupo de produção de massas e cereais que tem ainda unidades na Trofa, Coimbra e Lisboa. No portão estava colocada uma faixa com os motivos da luta: «Por aumentos salariais. Contra a discriminação no aumento de salários. Contra a retirada de direitos. Trabalhadores da Cerealis (Maia) em luta!».

A greve de 24 horas, iniciada às seis da manhã, contou com a adesão de cerca de 150 trabalhadores, que paralisaram a linha de produção, garantiu à Lusa José Lapa, do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Alimentação do Norte. Quanto aos demais sectores, só funcionaram graças às chefias e «pessoal contratado», acrescentou.

Em solidariedade com as reivindicações destes trabalhadores, esteve junto ao local da concentração uma delegação do PCP, encabeçada por Jaime Toga, membro da Comissão Política e responsável pela Direcção da Organização Regional do Porto (DORP).

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: