Breves
Jogos de guerra na Ucrânia

A aviação de combate de oito membros da NATO participou na segunda-feira, 8, nas manobras militares Clear Sky 2018, na Ucrânia. Pilotos deste país realizaram exercícios aéreos conjuntos com colegas da Bélgica, Reino Unido, Dinamarca, Estónia, Holanda, Polónia, Roménia e EUA, em caças F15C e aviões de transporte C-130 Super Hercules. O governo ucraniano anunciou na véspera que estes seriam os maiores exercícios desde o fim da União Soviética. Kiev referiu o carácter defensivo das manobras visando a protecção da soberania dos países participantes. Contudo, a Rússia avisou que qualquer participação de membros da NATO na Ucrânia converte-os de forma automática em participantes directos do conflito na zona do Donbass, onde as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk denunciaram o aumento das acções bélicas pelas forças armadas ucranianas. Embora a direcção da aliança transatlântica tenha anunciado que a aceitação da Ucrânia como membro pleno possa demorar pelo menos duas décadas, esse país continua a ser utilizado como plataforma para o cerco da NATO às fronteiras da Rússia.


Exercício da NATO na Sérvia

O presidente da Sérvia, Aleksander Vucic, agradeceu na segunda-feira, 8, o que classificou de respeito da NATO pela neutralidade militar do país, assim como pela independência e autodeterminação sobre o seu futuro. As declarações foram feitas na abertura da 18.ª edição dos exercícios internacionais sobre a resposta às consequências de situações extraordinárias, ao lado do secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, a quem agradeceu o apoio na organização do evento. Vucic reiterou que a Sérvia é militarmente neutral e que salvaguardará essa condição. Ao exercício, em Mladenovac, a 55 quilómetros de Belgrado, assistem dois mil efectivos de 38 países, especialistas em salvamento em ruínas, assistência médica, operações na água e eliminação de consequências de acidentes químicos e biológicos.