Dia da Segurança Social

«Valorizar os trabalhadores» e «defender e reforçar a Segurança Social pública, solidária e universal» são os propósitos que a CGTP-IN destacou anteontem, ao assinalar o Dia da Segurança Social (8 de Maio).
Para a Intersindical, a defesa do sistema público, universal e solidário requer «a adopção de políticas que valorizem os trabalhadores, promovam o desenvolvimento do País e o crescimento económico, que criem emprego estável e com direitos, promovam a redução do desemprego, aumentem os salários [em geral] e o salário mínimo nacional para os 650 euros, em Janeiro de 2019, e reforcem os meios financeiros da Segurança Social». Este reforço alcança-se «por via da diversificação das fontes de financiamento e do combate às dívidas, à fraude e à evasão contributiva, como garante da sustentabilidade social, económica e financeira do sistema e de uma mais adequada resposta às necessidades da população».
Depois de assinalar que foi «interrompida a brutal ofensiva desencadeada pelo governo do PSD/CDS-PP» e que «valoriza as medidas e os avanços registados» desde então, a CGTP-IN exige que o actual Governo «cumpra com a valorização de todas as longas carreiras contributivas (40 ou mais anos)».



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: