Portuenses reclamam habitação e menos especulação

O movimento Direito à Cidade realizou, dia 7, uma concentração e desfile pela defesa do direito à habitação, entre a Praça da Batalha e o Jardim de São Lázaro, no Porto. Na acção, sob o lema «Mais habitação, menos especulação», exigiu-se mais investimento na habitação pública, alterações na legislação de arrendamento e um travão na especulação imobiliária.

No manifesto intitulado «O Porto é bom mas não é para todos», lembra-se que «há uns anos» a cidade «entrou num processo de descaracterização», com os «cafés, tascos, quisosques e alfarrabistas» a «desaparecerem para dar lugar a lojas de souvenirs e restantantes gourmet».

«Há hotéis e hostels em todas as ruas, esquinas e becos, em detrimento de habitação permanente», acusa o movimento, advertindo: «O que querem fazer com as nossas cidades são alterações de fundo – económicas e funcionais. Ao passo que se substitui os vários sectores económicos da cidade por um só (o turismo), também se substitui várias camadas sociais da cidade por uma só (a que pode pagar).»

Entre outras reivindicações dirigidas ao Governo, o movimento afirma que é preciso «investir mais em habitação pública», «colocar um travão à especulação imobiliária» e revogar «a “Lei dos Despejos”».


 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: