Novos ataques <i>jihadistas</i> no Burkina Faso e no Mali

Dois ataques em Ouagadougou, na sexta-feira, 2, provocaram oito mortos e 80 feridos entre as forças de segurança, tendo sido abatidos nove atacantes. Há pelo menos dois detidos e assaltantes em fuga.

Os alvos na capital do Burkina Faso foram a embaixada de França e Estado-Maior das Forças Armadas. A acção foi reivindicada pelo Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos (GSIM) e justificada como «represália» contra um recente raide no Norte do Mali pelas tropas francesas do dispositivo Barkhane.

Trata-se de uma organização que juntou há cerca de um ano vários bandos jihadistas do Sahel ligados à Al-Qaida. É dirigida pelo tuaregue maliano Iyad Ag Ghaly, chefe do Ansar Eddine.

No Estado-Maior, a explosão de uma viatura com explosivos, que precedeu o assalto por homens armados, destruiu completamente a sala de reuniões onde estava prevista uma reunião dos chefes militares da força multinacional africana do G5, financiada pela França, Alemanha, EUA e Arábia Saudita e constituída por tropas do Mali, Burkina, Níger, Chade e Mauritânia.

Na repressão do ataque participaram, além das forças de segurança burkinesas, tropas francesas heli-transportadas do Comando de Operações Especiais, baseado em Ouagadougou.

As autoridades suspeitam de cumplicidades entre militares burkineses e assaltantes. A revista Jeune Afrique cita uma «fonte securitária» que relaciona os atacantes a sectores próximos de Blaise Compaoré, o ex-presidente derrubado por uma revolta popular, em Outubro de 2014, após 27 anos de poder.

Entretanto, no Mali, em finais de Fevereiro, um ataque jihadista provocou a morte de quatro «capacetes azuis» das Nações Unidas, provenientes do Bangla Desh, e ferimentos graves em quatro outros. A acção, na região de Mopti, ocorreu um dia depois de seis militares malianos terem morrido em consequência da explosão de uma mina artesanal, no centro do Mali.




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: