“Espero partilhar com ele [Rui Rio] a nossa preocupação e vontade de criar uma alternativa às esquerdas unidas (...) para alcançarmos 116 deputados, que é metade mais um do parlamento.”

(Assunção Cristas,
Lusa, 28.2.18)

 

“[Reunião do grupo parlamentar] Foi uma discussão mútua em que fizemos uma espécie de catarse dos problemas que ocorreram, estão todos resolvidos entre todos.”

(Fernando Negrão,
Observador, 1.3.18)

 

“Enquanto houver telefones directos entre magistrados, polícias e jornalistas, não há segredo de Justiça.”

(Pinto Monteiro,
Renascença, 1.3.18)

 

“Penso que os programas da troika vão ficar nos anais como um disparate de política económica.”

(João Ferreira do Amaral,
Expresso, 3.3.18)

 

“Há outro aspecto que é hoje quase ultrajante: estamos dependentes das agências de rating. Isso é inaceitável e foi fruto da moeda única.”

(Idem, ibidem)

 

“O mal da moeda única é o projecto em si. É uma quadratura do círculo tentar ter uma política monetária única (...) para economias muito diferentes.”

(Idem, ibidem)

 

“O projecto [da União Europeia] está condenado ao fracasso.”

(Idem, ibidem)

 

“O presidente da Sonangol é um mentiroso.”

(Isabel dos Santos,
Negócios, 5.3.18)

 

“Portugal é bom para se viver, mas não para trabalhar.”

(Luís Paulo Salvado,
Ibidem)

 

“O CDS precisa de um projecto não centrado na imagem de Cristas.”

(Filipe Lobo d'Ávila,
Público, 6.3.18)

 

“Estamos abertos a negociar com todas as forças políticas.”

(Luigi Di Maio, líder do Movimento 5 Estrelas,
Diário de Notícias, 6.3.18)