É urgente atribuir
meios de subsistência
aos trabalhadores
Vigília na ex-Triunfo <br>para garantir património

ACÇÃO Para impedirem que mercadoria, máquinas e outros bens sejam removidos, as trabalhadoras da Têxtil Gramax Internacional mantêm desde sexta-feira à tarde uma vigília nos portões da fábrica.

Image 24252

Os trabalhadores (mulheres, na sua maioria) da Triunfo Internacional, fábrica de roupa interior que funcionou com sucesso em Sacavém desde 1961, passaram a estar ainda mais atentos ao destino do património da empresa desde que, a 13 de Dezembro, souberam que foi pedida a insolvência da TGI – denominação da firma do fundo de investimento Gramax, a quem a Triumph International entregou, em Setembro de 2016, a sua filial portuguesa.

Não lhes foram pagos cinco dias do salário de Novembro, nem o mês de Dezembro e o subsídio de Natal. Preservar o património da empresa é fundamental para garantir os créditos mas também para manter aberta a possibilidade de viabilização da fábrica e dos 463 postos de trabalho. Ali estão, por exemplo, um milhar de máquinas, com uma capacidade produtiva de 30 milhões de minutos por ano, como anuncia a própria empresa.

No piquete de vigília, sábado à tarde, algumas trabalhadoras contaram ao Avante! como se foram apercebendo de que «estão a desaparecer coisas». As razões de suspeita são fundadas na prática da gerência (demissionária) e do administrador da Gramax. Essa prática contrariou as garantias de alargamento da carteira de clientes e investimento de um milhão de euros, dadas a 4 de Janeiro de 2017, com bastante eco, durante a visita do ministro da Economia à empresa.

Encomendas alternativas de monta não surgiram, o trabalho começou a faltar, foi vendida uma unidade desactivada em Camarate e foi proposta ao Governo uma «reestruturação» para justificar 150 despedimentos «por mútuo acordo». Nos últimos dias, houve tentativas de retirar mercadoria (peças de roupa já terminadas) e automóveis.

Sem conseguirem que o patrão, Alexander Schwarz, e os gerentes se comprometessem com o pagamento das remunerações em atraso ou assumissem responsabilidades pelo rumo de destruição da empresa, as trabalhadoras mobilizaram-se e frustraram os actos de delapidação do património. Contaram-nos que uma trabalhadora, vendo-se sozinha perante o dirigente que ia sair num carro da firma, colocou-se à frente do automóvel e o senhor teve de sair pelo seu pé. «Se não há dinheiro para nos pagar, também não há para carros e gasolina», explicaram-nos Carla Menezes e Ana Gomes.

«O que queremos é trabalho», afirmaram sem hesitar as trabalhadoras. Mas, na precaução da insolvência, «vamos ficar aqui até o administrador judicial tomar conta da empresa», garantiram.

 

Solidariedade

Nesta vigília, como noutros momentos da luta, tem sido constante a presença e a palavra solidária de dirigentes da CGTP-IN, da organização do PCP e de deputados do Partido, e de eleitos nos órgãos do Poder Local, com destaque para a Câmara Municipal de Loures e o seu presidente, Bernardino Soares.

No dia 6, primeira noite de vigília, em Dia de Reis, o grupo coral da Analor (Associação dos Naturais e Amigos de Loriga, sedeada em Sacavém) foi ali cantar as Janeiras. O Movimento Democrático de Mulheres, a Interjovem, a União dos Sindicatos de Lisboa e vários sindicatos marcaram presença solidária.

Os Bombeiros Voluntários de Sacavém foram serrar lenha oferecida para queimar nestas noites frias. A Câmara instalou um stand para abrigo do piquete e com instalações sanitárias.

No dia 7, domingo, a Comissão Concelhia de Loures reiterou o apoio e a solidariedade do PCP para com a luta na Gramax e apelou ao contributo popular para o «pequeno-almoço reforçado» na manhã de segunda-feira. Ali estiveram, nestes dias, os deputados Miguel Tiago e Rita Rato (Assembleia da República) e João Pimenta Lopes (Parlamento Europeu), mas também Armindo Miranda, da Comissão Política e outros membros do Comité Central do Partido.

O Secretário-geral, Jerónimo de Sousa, iria estar ontem, à tarde, junto dos trabalhadores em vigília.

 

Resultados animam luta dura

Organizadas no Sindicato dos Têxteis, Lanifícios, Vestuário, Calçado e Curtumes do Sul, da CGTP-IN, as trabalhadoras da Triunfo Internacional realizaram diversas acções de luta, desde que a deslocalização lhes foi anunciada pela Triumph, a 11 de Novembro de 2015. A 17 de Dezembro desse ano concentraram-se no Largo Real do Forte (Sacavém) e a 5 de Maio de 2016 manifestaram-se em Lisboa. No dia 20 de Maio de 2016, o PCP realizou uma marcha de solidariedade e, no dia 28, o Município de Loures promoveu um espectáculo de solidariedade no ginásio dos Bombeiros Voluntários de Sacavém.

Com a sua luta e a solidariedade que esta suscitou, os trabalhadores impediram que a multinacional alemã concretizasse então o encerramento da empresa, como recordou Manuela Prates, na segunda-feira à tarde. A dirigente do sindicato falou às trabalhadoras que se concentraram junto à fábrica, a apoiar em grande número o piquete organizado em escalas de quatro horas, sobre as decisões tomadas pouco antes pelo tribunal onde foi entregue o pedido de insolvência. Correm os prazos para que a empresa apresente mais documentos e para uma nova apreciação pelo juiz. Manuela Prates insistiu: «vamos continuar a aguardar aqui, com determinação».

A deslocação à fábrica, nesse dia, de técnicas do IEFP e de um inspector da ACT foi referida como outro resultado da luta e dos compromissos assumidos pelo Ministério da Economia, quando recebeu representantes dos trabalhadores, a 21 de Dezembro, dia de uma concentração na Praça Luís de Camões.

A importância de, urgentemente, assegurar subsídios de desemprego e outros apoios sociais, para acorrer às grandes dificuldades criadas pela falta de salários, foi salientada nesta acção em Lisboa e em várias ocasiões posteriores. Na primeira manhã da vigília, sábado, este foi um ponto destacado por Arménio Carlos. Além do Secretário-geral da CGTP-IN, também Mónica Antunes, do Sindicato dos Têxteis, acentuou que «já se passa fome», particularmente nas famílias cujo único rendimento provém do trabalho nesta fábrica.

A premência de uma intervenção do Governo marcou o «pequeno-almoço reforçado», uma concentração de trabalhadores da TGI na segunda-feira de manhã, com a presença solidária de representantes de sindicatos de outros sectores, que provocou uma interrupção simbólica do trânsito na Rua Vasco da Gama durante alguns minutos.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: