• Jorge Cadima

Hoje o feitiço balcanizador vira-se contra o feiticeiro
Perigos

A crise do capitalismo agrava-se de forma avassaladora. Trump dispara ameaças de acções militares em todas as direcções. Numa reunião com os principais chefes militares disse que esta «talvez seja a calma que antecede a tempestade» (cbsnews.com, 6.10.17). Multiplicam-se as indicações de que os EUA rasgarão o acordo nuclear com o Irão (Guardian, 6.10.17), e as ameaças contra a RPD Coreia (CNN, 8.10.17). Até o presidente republicano da Comissão de Negócios Estrangeiros do Senado dos EUA diz estar alarmado, pois Trump pode «conduzir à Terceira Guerra Mundial» (NY Times, 8.10.17).

É neste contexto que explode a crise catalã, mais uma expressão da profunda crise da UE, inseparável da sua natureza. Reagindo oficialmente à brutal intervenção policial contra quem queria votar no referendo, às prisões de membros do governo regional e à tentativa policial de ocupar sedes de partidos políticos catalães, o vice-presidente da Comissão Europeia, Timmermans, disse que «é dever de qualquer governo defender o primado do Direito, e isso por vezes exige um uso da força proporcional.[...] O respeito pelo estado de Direito não é uma opção – é essencial». As palavras de apoio ao governo de Rajoy podem parecer institucionalmente incontornáveis. Mas isso seria fazer de conta que não vimos a actuação das potências da UE no desmembramento pela força – pela ingerência e guerra – de inúmeros países, sempre violando o «primado do Direito», nacional e internacional. Quão diferente foi a reacção da Alemanha à proclamação unilateral da independência da Croácia e Eslovénia. Quão diferente foi a imposição pela força das armas da NATO da secessão do Kosovo que, mesmo segundo o acordo de cessar-fogo que pôs fim aos 78 dias de bombardeamentos da NATO, era parte integrante da Jugoslávia. As guerras que fragmentaram o Iraque, a Líbia, a Síria e outros países foram todas flagrantes violações do Direito Internacional. Hoje o feitiço balcanizador vira-se contra o feiticeiro. Semearam os ventos e estão a colher tempestades. E o outrora respeitável Washington Post não consegue melhor título para o seu editorial (2.10.17) do que o delirante: «A Catalunha realizou um referendo. A Rússia ganhou».

A situação catalã é complexa. São inegáveis os sentimentos nacionais de longa data e a vontade de soberania do povo catalão, bem expressos nas ruas e nas urnas. São também reais as manobras de sectores da burguesia catalã para canalizar para a questão nacional um descontentamento social crescente. É impossível conciliar a alegada defesa face a Madrid da soberania catalã, com a proclamada vontade de permanecer numa UE que destrói as soberanias nacionais dos povos. E é também impossível não ver a natureza do poder em Espanha, onde o franquismo que sobreviveu à ‘transição’ de 1978 está agora a deixar cair a máscara e a mostrar as suas garras. De saudação fascista em riste, nas ruas, mas também nas declarações dum dirigente do PP, que ameaçou esta semana o presidente catalão de seguir o exemplo de Lluis Companys, que em 1934 proclamou a República Catalã, acabando preso, e fuzilado por Franco em 1940.

É urgente para os trabalhadores e os povos retirar lições dos acontecimentos. Lições sobre a importância da sua acção independente em defesa dos seus reais interesses, de classe e nacionais. Lições sobre a natureza duma UE que – desde sempre – assenta na recusa da democracia e do respeito pela vontade soberana dos povos. Lições sobre a verdadeira face das ‘democracias’ do grande capital financeiro e sobre os enormes perigos que se adensam.

 



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: