“Após a reflexão que fiz, entendo que, por razões pessoais e políticas, não estão reunidas as condições para, neste momento, exercer esse direito [candidatura à liderança do PSD].”

(Luís Montenegro,
Lusa, 5.10.17)

 

“Os partidos não se constroem com lapas e o PSD tem um número considerável dessa espécie. As lapas agarram-se quando lhes interessa e onde julgam que se podem segurar.”

(Pedro Santana Lopes,*Correio da Manhã, 6.10.17)

 

“Declaro que não sou candidato à liderança do PSD.”

(Paulo Rangel,
Lusa, 6.10.17)

 

“Eu acredito que sou líder do partido do futuro do centro-direita em Portugal.”

(Assunção Cristas,
Sol, 7.10.17)

 

“Pela primeira vez nós vemos em Portugal um governo liderado por alguém que ficou em segundo lugar nas eleições, mas que conseguiu juntar uma maioria parlamentar. Isto quer dizer que deste lado também pode acontecer o mesmo.”

(Idem,
DN/TSF, 8.10.17)

 

 

“A agressividade do "espanholismo" está muito ligada ao franquismo e à extrema-direita espanhola.”

(Pacheco Pereira,
Sábado, 8.10.17)

 

“A mudança de liderança no PSD pode matar a grande ambição de António Costa: a ideia de maioria absoluta.”

(Marques Mendes,
SIC, 8.10.17)

 

“A demagogia está sem limites e é preciso travá-la, é inaceitável que haja um partido [CDS] com responsabilidades que possa imaginar semelhante proposta [isenção de IRS para as horas extraordinárias.].”

(Manuela Ferreira Leite,
TSF, 9.10.17)

 

“Existe um financiamento obsceno dos grupos privados por via do dinheiro da ADSE.”

(João Oliveira,
Negócios, 10.9.17)