Breves
Estudantes saarauís condenados a prisão

Dezassete estudantes saarauís detidos há 18 meses pelas autoridades marroquinas foram condenados a penas dos 10 aos três anos de prisão. O julgamento, no Tribunal de Marraquexe, antes adiado 12 vezes, conheceu o desfecho no dia 6. No final, foram lidas as sentenças: cinco dos jovens foram condenados a 10 anos de cadeia e os restantes a três anos.

Estes patriotas são os «companheiros de El Ouali», um estudante saarauí assassinado pela polícia. Foram detidos por participar em manifestações estudantis contra a ocupação do Saara Ocidental por Marrocos.


Khalifa Haftar controla Benghazi

O comandante do Exército Nacional Líbio anunciou que as suas tropas derrotaram os grupos rivais e assumiram o controlo de Benghazi, após três anos de combates.

«As forças armadas libertaram completamente a cidade de Benghazi do terrorismo. Anunciamos a vitória do exército na batalha da dignidade contra o terrorismo», afirmou o general Khalifa Haftar.

O exército de Haftar, aliado das autoridades do Leste, controla também os principais portos de petróleo líbios, bem como uma grande base aérea no Sul do país.


Ameaça de fome na África Oriental

Mais de 26 milhões de pessoas na África Oriental precisam de ajuda alimentar devido à seca severa que atinge a região. O Gabinete para a Coordenação dos Assuntos Humanitários (OCHA) das Nações Unidas revelou que o número de refugiados a necessitar de protecção no Corno de África aumentou nos últimos seis meses.

Em áreas do Corno de África e dos Grandes Lagos, a situação dramática resulta de «sucessivos episódios de seca e colheitas perdidas, conflitos, insegurança e choques económicos afectando os mais vulneráveis». Várias zonas da Somália, Etiópia, Quénia e Sudão do Sul estão a ser afectadas. Burundi, Uganda e Ruanda estão ameaçados.


ONU destrói arsenal entregue pelas FARC

Na Colômbia, a missão das Nações Unidas iniciou o processo de destruição do arsenal entregue pelos guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército Popular (FARC-EP) no âmbito do acordo de paz.

O general Javier Perez Aquino, chefe dos observadores internacionais da missão da ONU, confirmou que começaram a ser destruídas minas, explosivos, granadas de mão e munições de armas de pequeno calibre.

Nos 26 pontos de concentração, cerca de sete mil ex-combatentes das FARC-EP concluíram em 27 de Junho a entrega à ONU das suas armas – 7.132 espingardas –, avançando assim a transição dos ex-guerrilheiros para a vida civil.

O acordo de paz assinado entre as FARC-EP e o governo colombiano, depois de quatro anos de negociações em Cuba, prevê que as armas armazenadas nos 26 pontos sejam retiradas no dia 1 de Agosto dessas áreas.


Qatar rejeita ultimato da Arábia Saudita

O Qatar rejeitou as 13 exigências que lhe foram apresentadas, através do mediador Kuweit, pela Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahrein e Egipto. Estes países romperam a 5 de Junho as relações diplomáticas com Doha, depois de acusarem o seu governo de promover o terrorismo.

Num comunicado emitido em Riade, os quatro estados árabes afirmam agora que «todas as medidas legais, políticas e económicas» contra o Qatar «serão tomadas na altura e da forma apropriadas», para preservar os direitos dos países envolvidos, «a segurança e a estabilidade».

O ultimato ao Qatar impõe o corte do apoio à Irmandade Muçulmana e a redução das relações diplomáticas com o Irão. Além disso, a Arábia Saudita e aliados exigem o fim da cooperação militar com a Turquia e o fecho da base militar turca no Qatar. Ademais, pretendem o encerramento da cadeia televisiva Al-Jazeera, financiada por Doha.