“Não vale a pena pormo-nos aqui com rendilhados. O PS fez um veto político à doutora Teresa Morais, se se tratasse de andarmos a vetar uns aos outros não havia deputados do PS (...) em muitos outros órgãos que são eleitos a partir da AR.”

(Passos Coelho,
Lusa, 11.5.17)

 

“Assunção Cristas pegou num plano de Sócrates [para o Metro de Lisboa] e tirou-lhe seis estações.”

(Título do Diário de Notícias,
12.5.17)

 

“Todos os dias têm aparecido casos [do fenómeno Baleia Azul] e, por isso, é que há aqui essa necessidade de delinear [a linha de investigação] para conseguimos definir perfis criminosos.”

(Joana Marques Vidal,
Público, 12.5.17)

 

“Um ano e meio depois, Bruxelas alinha com Centeno.”

(Título do Negócios,
12.5.17)

 

“Itália é o maior problema. É a economia em situação mais precária (...) Se este 'doente' morre, mata toda a gente.”

(Mitu Gulati,
Expresso, 13.5.17)

 

“Quanto maior é a desigualdade, maior poder têm as elites para influenciar as regras.”

(Robert Reich,
Ibidem)

 

“Esta proposta [de Assunção Cristas]
soa a oportunismo. 20, 30 estações de Metro é fantástico. Mas quanto custa? Acho que nem a própria Assunção Cristas sabe.”

(Marques Mendes,
SIC, 14.5.17)

 

“Não quero acabar os meus dias a comer filadélfia, quero comer queijo de Évora.”

(Carlo Petrini,
Diário de Notícias, 14.5.17)

 

“A política não é só ter razão, é ter capacidade de representação.”

(Mendes da Silva,
Público, 16.5.17)

 

“A direita tem de preparar rapidamente um discurso de futuro.”

(Idem, ibidem)