Construir
um concelho
que é um espaço de todos
A CDU está a construir
o presente e a preparar
o futuro do Barreiro

ELEIÇÕES A CDU apresentou no dia 10 os seus primeiros candidatos à Câmara e Assembleia Municipal do Barreiro, respectivamente, Sofia Martins e Carlos Humberto.

Não podia ter maior significado o local escolhido para a apresentação dos candidatos: os Estaleiros da Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário, S.A (EMEF). Naquele pedaço de história que não se apaga da memória dos barreirenses estiveram largas centenas de pessoas dando o seu apoio à candidatura da CDU. O momento contou com a participação de Jerónimo de Sousa, Secretário-geral do PCP.

Depois da actuação da cantora Maria Anadon, acompanhada à viola por Rui Galveias, interveio Carlos Humberto, actual presidente da autarquia e candidato à presidência da Assembleia Municipal (AM). Num ambiente carregado de simbolismo – com automotoras e carruagens reconstruídas e outras que a CP está a destruir para sucata, apagando a memória colectiva – o cabeça de lista à AM começou por lembrar que o espaço onde se encontravam «marca há mais de um século a vida do concelho».

«Aqui se fez revolução tecnológica, inovação, formação, se aprendeu profissões, formas de trabalhar. Aqui se criou e cria riqueza, desenvolvimento económico. Aqui se aprendeu como é importante, fundamental, o trabalho, o contributo de cada um para construir o todo», destacou, recordando que ali se aprendeu também «a ser solidário com os companheiros de trabalho, se aprendeu a conquistar direitos, a lutar por os alcançar e por os defender» e «como é importante o trabalho e a acção organizada para fazer “o mundo avançar como bola colorida nas mãos de uma criança”».

Porque o Polo Ferroviário do Barreiro marcou «muitas gerações» e «desejamos que nos continue a marcar», Carlos Humberto defendeu que o edifício «se mantenha no Barreiro», porque «queremos emprego e produção ferroviária, tecnologia ferroviária, mas também memória, património e cultura ferroviária».

Neste sentido, apelou ao Conselho de Administração da CP e da EMEF, assim como ao Governo, a que tenha em conta as propostas já apresentadas. «Aqui, no Barreiro, se construíram as máquinas a vapor. Aqui fomos e somos a capital do diesel. Aqui queremos dar o nosso contributo para o comboio eléctrico, queremos construir o futuro ferroviário», anunciou.

Outra das exigências – partilhada por associações locais e nacionais – é que se constitua no Barreiro um núcleo do museu ferroviário, de forma a que se possa «guardar e revelar o percurso do sindicato dos ferroviários, do Instituto Ferroviário, da cooperativa, da cantina, do bairro ferroviário, mas também das lutas dos trabalhadores ferroviários».

Compromisso

Seguiu-se a intervenção de Sofia Martins. Começou por agradecer «a todos» e a «cada um dos que, com maior e menor proximidade» teve «a honra de trabalhar em prol desta cidade nos últimos anos», realçando o papel de Carlos Humberto, o seu «percurso», a sua «vida de dedicação a este projecto, que abraçámos juntos».

De olhos postos no futuro, a candidata à Câmara Municipal assumiu «compromissos, muito claros, concretos, definidos e sustentados sobre obras, projectos e ideias», que «virão de muitos dos que hoje aqui estão», porque «nesta viagem estamos mesmo juntos» e «todos os contributos contam» e «são valiosos». «Na CDU é assim», reforçou, frisando que a Coligação PCP-PEV «defende e consolida o Poder Local Democrático», sem «aventureirismos» e «conceitos abstractos, ligados à realidade e às aspirações das povoações».

«Com ideias claras, agindo no concreto, superamos obstáculos, promovemos a participação e lutamos, sempre, pelos valores da democracia», acrescentou a actual vice-presidente, lembrando que as «acções» e «linhas estratégicas» continuarão a passar pela «importância do pólo ferroviário», da «terceira travessia do Tejo», dos «rios», do terminal multimodal no Barreiro», mas também pela «coesão territorial», «reforço do papel do serviço público», «difusão do conhecimento e da tecnologia», «criação de emprego» e de «riqueza».

Sofia Martins prometeu «continuar a construir um concelho que é um espaço de todos com um património humano, material e territorial único e incomparável», que «alia memória e visão de futuro».

Jerónimo de Sousa apela ao voto na CDU

Sobre os candidatos apresentados, Jerónimo de Sousa sublinhou que aqueles rostos, de gerações diferentes, «personificam os valores contidos na consigna da CDU: trabalho, honestidade e confiança». «Barreiro é terra de participação, com um papel destacado na história do nosso País. Foi assim, de forma heróica, na resistência ao fascismo, foi assim a construir a pulso as conquistas de Abril, tendo sido assim na luta contra a política de direita», valorizou, lembrando que ainda recentemente o povo do Barreiro e dos concelhos vizinhos «saiu à rua em defesa do Serviço Nacional de Saúde, numa manifestação que demonstrou o empenho em defender os serviços públicos e o progresso social».

Destacado foi também o «valioso trabalho» realizado no concelho do Barreiro, patente, por exemplo, na obra de requalificação urbana e valorização da zona ribeirinha e na actividade sócio-cultural, que se traduz numa colaboração muito estreita com o movimento associativo e no apoio aos seus projectos e iniciativas.

Igualmente importante foi o que se conseguiu na área dos transportes colectivos. «Passam em 2017 os 60 anos de existência dos Transportes Colectivos do Barreiro. Transportes municipais, reconhecidos que são pela sua elevada qualidade, que o município do Barreiro assume numa área que competiria ao Estado assegurar», salientou o Secretário-geral do PCP, referindo que o Barreiro «é identificado como sendo o concelho do País onde o nível de uso do transporte público é mais elevado e com índices de utilização únicos na sua relação com o transporte privado».

«Uma oferta de qualidade que não está desligada de uma gestão que se guia por critérios subordinados à integral e exclusiva defesa do interesse público e aos padrões de qualidade de serviço público que a CDU protagoniza na defesa do direito à mobilidade das populações», reforçou.

Critérios idênticos são utilizados na defesa da água pública, uma outra área de intervenção onde o Barreiro tem razões para satisfação pela cobertura atingida e pelas boas práticas de gestão municipal dos sistemas e redes de água e saneamento.

Dar mais força à CDU

Para Jerónimo de Sousa, «as próximas eleições autárquicas constituem uma batalha política de grande importância pelo que representam no plano local, mas também pelo que podem contribuir para dar força à luta que travamos nesta nova fase da vida política nacional para melhor defender os interesses dos trabalhadores, do povo e do País».

«Nestes últimos tempos os portugueses puderam verificar quão importante é ter esta força consequente que se congrega na CDU e de que fazem parte o PCP, o Partido Ecologista «Os Verdes» (PEV), a Associação Intervenção Democrática (ID) e milhares de independentes, para fazer avançar a política de recuperação, reposição e conquista de direitos, retirados aos trabalhadores e ao povo nos últimos anos», destacou, sublinhando a importância de «ter uma CDU mais forte e alterar a correlação de forças políticas na sociedade portuguesa para que se avance decisivamente na solução dos problemas nacionais», aos quais «é preciso dar resposta com uma política verdadeiramente alternativa – a política patriótica e de esquerda».




 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: