Breves
Consulares no Brasil

O STCDE saudou a «extraordinária mobilização» dos trabalhadores consulares no Brasil, no primeiro dia de greve, «com postos a aderir em peso, outros totalmente encerrados, outros ainda onde só praticamente trabalhavam diplomatas, estagiários ou terceirizados». O sindicato informou recebeu nesta segunda-feira, ao fim do dia, uma resposta do secretário de Estado das Comunidades, assumindo um compromisso para que, a breve prazo, seja concluída a negociação da solução para a discriminação salarial, ou seja, para acabar com o pagamento na moeda local, e não em euros, caso único no universo do Serviços Periféricos Externos do MNE. A greve, que iria durar até hoje, foi desconvocada em seguida, salientando o STCDE que a determinação e força dos cerca de 80 «foram essenciais neste atribulado processo negocial, que vai entrar agora noutro ritmo».


Transportes em luta

Iniciaram ontem um período de greves parciais, até final deste mês, os trabalhadores da Carrisbus, que defendem o direito à negociação colectiva, negado pelas sucessivas administrações, exigem o aumento dos salários e protestam contra a precariedade laboral. A Fectrans/CGTP-IN anunciou ainda que formalizou a convocação de greve na Soflusa, durante duas horas por período de trabalho (manhã e tarde), no dia 23 de Março, cumprindo a decisão tomada em plenário. No dia 8, em plenário no Cais do Sodré, os trabalhadores da Transtejo aprovaram a realização de greves parciais de três horas por turno, durante dois dias do mês de Março – decisão que, tal como no caso da Soflusa, se deve à falta de respostas da administração e do Governo para problemas que provocam a degradação contínua do serviço público prestado. Em causa estão casos recorrentes de imobilização da frota e a persistente falta de trabalhadores. Por outro lado, é também exigida resposta do Governo ao acordo firmado entre sindicatos e administração, para a revisão do Acordo de Empresa.